fbpx

Maiores de 65 procuram por cirurgias plásticas

Por Maya Santana

Maria Natalina Pêgo dos Santos, 84, fez cirurgia nos seios há quatro anos: "Fiz para mim, me sinto revigorada e cheia de vida"[

Maria Natalina Pêgo dos Santos, 84, fez cirurgia nos seios há quatro anos: “Fiz para mim, me sinto revigorada e cheia de vida”

Valéria Mendes, Portal Uai

A Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) revela que 10% das pessoas que realizaram cirurgia plástica nos Estados Unidos em 2013 tinham mais de 65 anos. A informação é da mesma pesquisa que colocou o Brasil em primeiro lugar no número de procedimentos cirúrgicos para fins estéticos no mundo. O cirurgião plástico e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Felipe Pacheco – que cada vez mais atende homens e mulheres nessa faixa etária – afirma que essa tendência também é observada no país. “Nossa cultura segue muito os parâmetros da americana e o resultado dessa pesquisa se encaixa à nossa realidade”, afirma.

Que o diga a aposentada Maria Natalina Pêgo dos Santos, 84, que há quatro anos fez cirurgia nos seios. “Fiz para mim, gozo de perfeita saúde e me sinto revigorada e cheia de vida”, conta. Viúva, com um único filho, mas com quatro netos e um bisneto, ela também já passou pelo procedimento estético no abdômen e no rosto. A primeira cirurgia foi realizada aos 42 anos. “O motivo principal era elevar a minha autoestima, me sentir rejuvenescida e mais entrosada no meu grupo social, nos ambientes que frequento”, diz. Segundo ela, todas as suas amigas acima dos 70 anos já mexeram em alguma parte do corpo e duas “estão em processo”.

Cuidados especiais
Ao contrário do que se costuma imaginar, a cirurgia plástica em idosos não é mais arriscada do quem em adultos ou jovens. “A idade por si só não é fator de risco para uma cirurgia, o que é levado em conta é a saúde do paciente. Uma cirurgia plástica em um jovem hipertenso, por exemplo, seria mais arriscado do que em um idoso com a saúde controlada”, exemplifica. Entretanto, os idosos precisam de cuidados especiais e a recuperação costuma ser mais lenta.

Felipe Pacheco alerta que o idoso deve evitar cirurgias combinadas porque elas são grandes, prolongadas e impactam a recuperação. “Outro detalhe é em relação à anestesia. Existem medicamentos que circulam mais tempo no organismo. Por isso, é preciso administrar algum que seja específico para essa faixa etária e numa quantidade correta, além de uma equipe que seja especializada no cuidado com idosos”, pondera. Clique aqui para ler mais.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais