Minas abre ao mundo as portas de sua pré-história

Por Maya Santana

O príncipe da Dinamarca e o governador de Minas na inauguração

Gustavo Werneck

Minas abre as portas da sua pré-história, convida o mundo para visitá-la e, nessa viagem pelo tempo, cria equipamentos culturais que valorizam um passado de mais de 11 mil anos. Será inaugurado sexta-feira, às 15h, em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o Museu Peter Lund, atrativo científico e turístico que funcionará dentro do conceito de “museu de território”, inspirado na trajetória do paleontólogo dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801–1880), que viveu nessa região mineira por mais de quatro décadas. O prédio localizado perto da Gruta da Lapinha abrigará uma exposição de 80 fósseis cedidos em regime de comodato por três anos ao governo de Minas pelo Museu de História Natural da Dinamarca, país onde nasceu Dr. Lund, conhecido como “pai da paleontologia brasileira” . A abertura do museu contará com a presença do príncipe herdeiro da Dinamarca, Frederik André Henrik Christian, e da mulher dele, a princesa Mary Elizabeth.

Na tarde de ontem, era intensa a movimentação das equipes trabalhando em vários setores do museu. Na parte externa, operários concluíam o projeto paisagístico, enquanto, no interior, técnicos davam retoques nas salas de exposição e demais equipamentos que, já neste sábado, a partir das 9h, estarão disponíveis para visita. A empreitada do governo de Minas consumiu cerca de R$ 5,3 milhões e se integra à Rota Lund, que tem como objetivo promover o desenvolvimento regional por meio de um roteiro turístico. “A Rota Lund se soma à Estrada Real e aos Caminhos de Guimarães Rosa, em Cordisburgo”, diz o superintendente de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado da Cultura, Leonardo Bahia, também autor do projeto museográfico do Peter Lund.

Ossos expostos no novo museu, localizado em Lagoa Santa, perto de BH

Bahia explica que o museu de território compreende todo o Parque do Sumidouro, administrado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), onde foi construída a sede de 1.850 metros quadrados. “Vai ficar muito bonito e temos certeza que virá muita gente conhecer”, afirmou a zeladora da unidade de conservação, Andréa Maria Rodrigues da Silva, carregando mudas de folhagens para embelezar a trilha.

O acervo cedido pela Dinamarca é composto por fósseis encontrados por Lund durante suas pesquisas na região, cujas características geológicas favorecem o aparecimento de grutas e cavernas. Segundo Bahia, o novo museu dispõe de duas salas exclusivas para que o visitante tenha conhecimento dos planos de manejo do parque espeleológico; sala multiuso para projeção de filmes, palestras e oficinas; salas de exposição, uma delas destinada ao acervo do Museu de História Natural da Dinamarca; espaço para reserva técnica, conservação e restauro de obras; café e loja. Leia mais em www.em.com.br


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

toninho reis 25 de setembro de 2012 - 15:04

Bem merecido, Minas agradece e merece, otima materia Gustavo,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais