fbpx

Morre aos 73 anos o escritor João Ubaldo Ribeiro

Por Maya Santana

O escritor morreu de embolia pulmonar, em sua casa, no Rio

O escritor morreu de embolia pulmonar, em sua casa, no Rio

O Brasil amanheceu abalado nesta sexta-feira com a notícia da morte repentina, aos 73 anos de idade, de um dos seus grandes escritores, o genial baiano João Ubaldo Ribeiro. Enorme perda para todo o país.

Leia o artigo publicado esta manhã por O Globo:

Morreu de madrugada desta sexta-feira, em casa, no Leblon, Zona Sul do Rio, o escritor e acadêmico João Ubaldo Ribeiro, aos 73 anos. Como mostrou o Bom Dia Rio, ele teve uma embolia pulmonar. João Ubaldo era casado e  tinha quatro filhos.

O escritor era o 7º ocupante da cadeira número 34 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele foi eleito em 7 de outubro de 1993, na sucessão de Carlos Castello Branco.

João Ubaldo Ribeiro ganhou em 2008 o Prêmio Camões, o mais importante da literatura em língua portuguesa. Ele é autor de livros como “Sargento Getúlio”, “O sorriso dos lagartos”, “A casa dos budas ditosos” e “Viva o povo brasileiro”. Também ganhou dois prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, em 1972 e 1984, respectivamente para o melhor autor e melhor romance do ano, por ‘Sargento Getúlio’ e ‘Viva o povo brasileiro”.

Nascido em Itaparica (BA), Ribeiro viveu até os 11 anos com a família em Sergipe, onde o pai era professor e político. Passou um ano em Lisboa e um ano no Rio para, em seguida se estabeleceu em Itaparica, onde viveu aproximadamente sete anos.

João Ubaldo também se formou em bacharel em Direito, em 1962, pela Universidade Federal da Bahia, mas nunca chegou a advogar. Entre 1990 e 1991, o escritor morou em Berlim, a convite do Instituto Alemão de Intercâmbio (DAAD – Deutscher Akademischer Austauschdienst).

Ele era pós-graduado em Administração Pública pela UFBA e mestre em Administração Pública e Ciência Política pela Universidade da Califórnia do Sul.

O escritor foi professor da Escola de Administração e da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia e professor da Escola de Administração da Universidade Católica de Salvador. Como jornalista, foi repórter, redator, chefe de reportagem e colunista do Jornal da Bahia; colunista, editorialista e editor-chefe da Tribuna da Bahia.

Leia também:
Precisa-se de matéria prima para construir um país

Era colunista do jornal Frankfurter Rundschau, na Alemanha; colaborador de diversos jornais e revistas no país e no exterior, entre os quais, além dos citados, Diet Zeit (Alemanha), The Times Literary Supplement (Inglaterra), O Jornal (Portugal), Jornal de Letras (Portugal), Folha de S. Paulo, O Globo, O Estado de S. Paulo, A Tarde e muitos outros. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

19 − dez =

2 Comentários

Avatar
Déa Januzzi 18 de julho de 2014 - 14:33

Como disse Bety Fleury diante da morte de tantos amigos e conhecidos, Deus podia dar um tempo aí , porque já tem gente boa demais no Céu ou no Inferno de cada dia.

Responder
Avatar
lisa santana 18 de julho de 2014 - 13:04

Já? Que pena!

Responder