fbpx

“Morrer, não vamos”

Por Maya Santana

Eu tenho ainda uma menina dentro de mim, e uma velhinha a vida inteira dentro de mim

‘Eu tenho ainda uma menina dentro de mim, e uma velhinha a vida inteira dentro de mim”

Teve muita repercussão a entrevista que Fernanda Montenegro deu para Roberto D’Ávila na GloboNews, na semana passada, porque, corajosa, como sempre, declarou que a novela Babilônia, encerrada há poucos dias, não fez sucesso não por causa do casal idoso de homossexuais, interpretado por ela própria e Natália Timberg, mas porque dois terços do elenco era formado por negros. “A mídia focou no preconceito contra as personagens homossexuais, mas eu tenho certeza que o principal motivo mesmo foi esse racismo entranhado na sociedade”, disse ela. Muita gente ficou surpresa com a ousadia da declaração da grande atriz, conhecida pela sensatez, inteligência e dignidade. Agora, ela dá esta entrevista a Domingos de Oliveira ( cujo filme “Infância” estrela), da qual reproduzo o trecho abaixo, contando histórias de seu passado e refletindo sobre o futuro. Bela entrevista.

Leia:

“Eu tenho ainda uma menina dentro de mim, e uma velhinha a vida inteira dentro de mim. Acho que já nasci velhinha e tenho uma alegria de criança dentro de mim, ou melhor, de menina, de menininha. Desde cedo fui muito observadora. Eu sempre olhava mais do que estrebuchava.”

“Se você não se mexer para ajudar o outro, você fica mal, porque a gente, para ter paz, o outro precisa ter paz, senão a gente fica desassossegado. Não é para ganhar o céu, não se trata de colocar uma auréola sobre nossas cabeças. Então, não é por amor ao próximo, é por amor a si mesmo. O negócio é o seguinte: se quem está do lado está mal, então deixa eu ajudar o cara. Se eu puder ajudar, vou ficar ótima. Vocação não é para fugir dela. Nós fazemos aquilo de que gostamos! O trabalho é duro. Mas não é com o suor do nosso rosto que ganhamos nosso pão. Não há condenação bíblica! O artista não está desvirtuado do seu chamado. Acho que a gente foge disso. Escapa. Porque o cara ter que ganhar a vida com o suor do seu rosto é uma condenação. O artista sofre, é desassossegado, é desconfortado, mas não é um condenado.”

A FAMÍLIA

“No subúrbio, onde a gente morava, a gente ia três vezes por semana ao cinema. Eu cheguei a pegar na minha extrema infância um tempo em que não existia nem rádio. Ia-se ao cinema ou se visitava pessoas! E se levava as crianças. A parte de minha mãe é italiana; a do meu pai, portuguesa. Sou a segunda geração. Porque minha mãe veio da Sardenha, o que não é brincadeira. Eu me lembro também muito do meu bisavô italiano, gostava muito dele.”

O CINEMA

“Meus filmes prediletos ainda são ‘Jules e Jim — Uma mulher para dois’ (1962, de François Truffaut) e ‘E o vento levou’ (dirigido por Victor Fleming). O cinema americano foi criado para fazer “E o vento levou”. O filme estreou em 1939, eu tinha 9 anos. Você, Domingos, tinha 2. Na década de 1910, 20, 30, era muito romance! Eu tive um irmão que morreu com 10 meses. Veio logo depois de mim. E minha avó, que era italiana, dizia chorando que ele era tão bonito quanto o Rodolfo Valentino.”

Fernanda e Natália em Babilônia, que teve audiência baixa por causa do "racismo"

Fernanda e Natália em Babilônia, que teve audiência baixa por causa do “racismo”

O MEDO

“Quem não tem medo? Você gostaria de parar tudo e ficar espiando seu fim? Ninguém tem uma vida flanada, sem tormentos. A gente já nasce berrando. De medo. E, com medo ou sem medo, a gente vai! Porque a gente, Domingos, ama a vida, não adianta negar. Você está mais vivo do que nunca. A gente se conhece há 50 anos, e você não mudou nada. O segredo é que a gente tem muita vida ainda dentro! E dane-se! A gente paga um preço? Paga. Perde pai, perde mãe, perde irmã, perde marido. Perdi meu homem, 60 anos de convivência. Não tem reposição de peça, nem quero. Agora, o coabitar é revolucionário. Você pensa que vai mudar o outro, mas não vai. No entanto, parece que há um arco por cima. Uma mão. Que une os dois e que vai nos levando.

PUBLICIDADE

“Vovó, que era analfabeta, dizia que tinha lido na ‘Divina Comédia’: ‘Na porta do inferno tem uma bigorna onde o diabo bate e diz: Eterno! Eterno! Eterno!!’ Já pensou isso na cabeça de uma criança? São essas memórias que enlouquecem a gente de saudade!!! Eu procurei na ‘Divina Comédia’, mas não achei esse pedaço. Eu tenho muita saudade dos meus amigos que se foram. Domingos, você diz que cismei que sou feliz. Pode ser. Há uma oração do João XXIII que é bonitinha. Você acorda e agradece a Deus porque acordou. Aí você vive o seu dia e, na hora de dormir, agradece a Deus por aquele dia, porque acordou. Pode ser que no outro dia você não amanheça. É simples e comovente: acordou, não morreu, agradece a Deus. Você perde uma pessoa da sua vida, tem que ficar triste por muito tempo.”

“MORRER, NÃO VAMOS”

“Mas a gente acorda e canta. Com a idade, você vai vendo os amigos indo embora, você fica sem uma memória sua. A memória une muito a gente. No enterro do filho de um amigo meu, uma coisa horrorosa, porque só existe uma tragédia no mundo, que é morrer jovem, o padre disse, lenta e gravemente, quase palavra por palavra: ‘Ele agora não sofre mais’. Isso me impressionou muito!!! Pode não ser um consolo absoluto, mas é verdade. Mas é duro! Aos 50, 60, 70, ainda dá para discutir. Os de 70 ainda há muitos aí. Mas, Domingos, te prepara por via das dúvidas. Dos 80 pros 90 na minha vida foi uma ceifada violenta. Sem nenhuma morbidez. Somos muitos ainda, graças a Deus, mas não somos tantos! Nos 80, estamos em estado de alerta! Eu não me canso. Acho que isso é uma doença ainda não diagnosticada. Morrer, não vamos.”

Fernanda Montenegro não vai precisar passar pelos incômodos do juízo final. Sua arte fez isso com ela por antecedência. Antes de a porta do elevador fechar, ela ainda diz sorrindo: “Domingos, nós não temos mais idade para sofrer.”

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





19 Comentários

Sonia Azevedo 5 de outubro de 2015 - 13:26

Sem comentários, Apenas uma palavra ‘Maravilhosa” essa grande mulher!!!!!
És para mim uma referência um orgulho.

Responder
lisa santana 12 de setembro de 2015 - 10:51

Nem se dá para falar sobre Fernanda Montenegro.Tão sábia. Gosto de vê-la, pois e bonita na idade em que está. Escutá-la e beber suas palavras. Tudo que ela fala dá para pensarr. Tudo. É bonito e bom ver alguém com estas propriedades e sem pieguismos. É Ótimo.

Responder
Aleluia Maria de Carvalho 11 de setembro de 2015 - 21:20

Curti muito os personagem de Fernanda Montenegro e Natalia sou fã das duas excelente atriz !!!!!!!

Responder
Aleluia Maria de Carvalho 11 de setembro de 2015 - 21:15

Eu curti muito Babilonia !

Responder
Humberto Milton da Silva 9 de setembro de 2015 - 09:34

Fernanda Montenegro, que belas palavras, que belos exemplo de vida. Hoje com 59 anos de idade, tive a grande chance de rever juntas Fernanda Montenegro, e Natália Timber, juntas novamente na TV, me desculpe se estou desinformado mais é um Orgulho enorme em revê – la juntas.

Responder
regina Sales 9 de setembro de 2015 - 07:37

Você como pessoa , ser humano, e atriz é inigualável!

Responder
Ana Virginia 8 de setembro de 2015 - 21:42

Fernanda Montenegro, se tivéssemos pessoas tão inteligentes, tao profissionais , tão cidadãs e acima de tudo tão solidárias , como você , certamente o mundo seria bem mais consciente e mais feliz. Você sempre será uma verdadeira dama e orgulho para nós brasileiros. Abraços

Responder
damaris 8 de setembro de 2015 - 20:42

Eu sempre falo aqui em casa: são poucos os artistas que eu gostaria de conhecer,E ,você, Fernandona , muitos de nós anônimos gostaríamos de chegar bem pertinho . Ficaríamos como um feto no ventre da mãe amada, em silencio, compartilhando aquele instante da sua real existência. Viva muito, amada! Que os anjos nos concedam esse privilégio de ser a mãe da arte brasileira e representante da bondade maior!

Responder
Eloá Alves 8 de setembro de 2015 - 15:43

Você é “o grito” perfeito…

Responder
Beth Nassau 8 de setembro de 2015 - 11:32

Adoro a Fernanda. Beleza de pessoa é ser humano!

Responder
Iracema Rocha 8 de setembro de 2015 - 09:33

Ser humano incrível. Saúde e mais alegria

Responder
Melânia Castelo Branco 7 de setembro de 2015 - 22:57

Fernanda Montenegro , tenho uma profunda admiração por você.
Minha filha, quebtem 16 anos, ao ver sua atuação na novela Babilônia, disse tentando expressar sua também , profunda admiração: “quando a vejo tenho vontade de abraçar muito”.
Faço das palavras dela as minhas.

Responder
Aparecida Sardinha 7 de setembro de 2015 - 22:32

Fernanda,VC é um espetáculo! Me lembro como se fosse hj, o dia que VC foi se hospedar no Jorge Sank em São Paulo onde meu filho Rogério trabalhava. Ele me ligou logo após VC entrar para me contar,emocionado, da sua gentileza,delicadeza com todos e disse: mãe, ela tem uma áurea de luz…ela brilha por onde passa com sua humildade,educação, simplicidade…estou feliz em conhece_lá…sou sua fã incondicional…

Responder
Ecilda Symanski 7 de setembro de 2015 - 11:43

Admiro profundamente essa artista e ser humano excepcional!

Responder
Teresinha Souza Barros 7 de setembro de 2015 - 10:40

Fernanda,simplesmente maravilhosa!Excelente artista,ser humano da mais alta estirpe…Orgulho de uma nação tão carente de ídolos.Obrigada por existir.

Responder
Marcia 7 de setembro de 2015 - 09:52

Fernanda, Parabéns! Pelo trabalho, lucidez e principalmente, a sabedoria! Sou da área da Saúde e sei como é difícil no nosso país os idosos chegarem a sua ou a minha idade com tanta dignidade e trabalhando! Muito obrigada por tudo que você tem feito pela arte e Cultura desse país!

Responder
valdeci rigolin 7 de setembro de 2015 - 02:16

Olá…Fernanda… Peço licença para escrever-te Assim… Olá Fernanda… Eu já tive bem de perto… Você é um encanto …. Eu assisti uma Apresentação sua em um CONGRESSO BRASILEIRO DE GERIATRIA e GERONTOLOGIA em POA-RS.
Sou Médico Geriatra e Docente em Geriatria na FAMEMA-Marília-SP e me sinto privilegiado em ter vivido e ter lido e Assistido Você e gostaria de estar no Lugar da sua Médica Geriatra( Dra.Claudia Burla) Só para ficar algum momento bem pertinho de Você.
Abraços … Saudações Gerontológicas Rigolin

Responder
Beatriz Judith Lima Scoz 6 de setembro de 2015 - 20:11

Fernanda, sua grande sabedoria e amar a vida.
Por esse motivo, ela deve ser longa!
E tomara seja assim…Saber que você existe por perto!
( porque sempre existirá em algum lugar… )
me deixa muito feliz!!!
Carinho e admiração.

Responder
Fatima. 6 de setembro de 2015 - 17:58

Fernanda Montenegro parabéns pela entrevista maravilhosa e te digo “VOCE NÃO VAI MORRER NUNCA” E obrigada por por sua existência! Sou sua fã de carteirinha.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais