fbpx

Muito filme do Holocausto e nada da escravidão

Por Maya Santana

Chiwetel Ejiofor como Solomon Northup, figura histórica negra americana

Chiwetel Ejiofor faz o papel de Solomon Northup, figura histórica negra americana

Sempre achei que o tema escravidão, com toda a sua complexidade e riqueza, é pouquíssimo retratado nos Estados Unidos e no Brasil também. E essa negligência com o assunto não é só do cinema. Concordo inteiramente com o diretor britânico Steve McQueen, quando ele diz, neste artigo publicado pelo Uol,  a propósito de seu novo trabalho “12 Anos de Escravidão”, que há muitos filmes sobre determinados temas, enquanto outros assuntos, fundamentais para o entendimento do nosso passado, são ignorados: “A escravidão durou 400 anos e há menos de 20 filmes”, diz ele, completando: “Nós temos que reparar esse equilíbrio e olhar para esse período da história.” Temos mesmo.

Leia o artigo e assista ao trailer de 12 Anos de Escravidão:

O diretor Steve McQueen, que está atualmente divulgando seu aclamado “12 Anos de Escravidão”, um dos favoritos ao Oscar, criticou Hollywood pelo que ele considera ser uma escassez de filmes sobre os escravos negros nos Estados Unidos. Para McQueen, isso demonstra que a indústria cinematográfica quer “evitar o assunto”. Segundo a crítica, ’12 Anos de Escravidão’ é o melhor e mais necessário filme em muitos anos

Steve McQueen ganhou o prêmio de Melhor Direção dos dos críticos de Nova York por "12 Anos de Escravidão

Steve McQueen ganhou o prêmio de Melhor Direção dos críticos de Nova York por “12 Anos de Escravidão

“A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) durou cinco anos e há centenas e centenas de filmes sobre a Segunda Guerra e o Holocausto”, disse o cineasta em entrevista à emissora britânica Sky News. “A escravidão durou 400 anos e há menos de 20 filmes. Nós temos que reparar esse equilíbrio e olhar para esse período da história [a escravidão negra].”

Em seu último filme, McQueen traz o ator Chiwetel Ejiofor como Solomon Northup, figura histórica negra americana. Nascido livre, ele foi raptado em Washington e levado como escravo para trabalhar nas plantações da Louisiana, no sul do país, em 1841.

“12 Anos de Escravidão” conta ainda com Michael Fassbender, no papel de um latifundiário sádico, e Brad Pitt, numa participação pequena como um abolicionista (Pitt também é produtor do longa). O filme foi indicado a sete Globos de Ouro. Assista ao trailer, com legendas em português:

Nos Estados Unidos, onde o filme já está em cartaz, há diversos relatos de pessoas que deixaram as salas de cinema, incomodadas com a violência com a qual a escravidão é retratada. Mesmo assim, Ejiofor disse à Sky News que o roteiro suavizou alguns dos episódios pelos quais Northup passou na vida real.

“12 Anos de Escravidão” estreia em 28 de fevereiro no Brasil.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

um × três =

1 Comentários

Avatar
Ana 10 de janeiro de 2014 - 10:46

realmente é um capítulo de nossa História q precisa ser reeditado e muito bem explicado. A ganância, sempre a ganância é o q levou à escravidão: fazer alguém trabalhar nas piores condições possíveis, e ganhar, ganhar muito com este trabalho. Um capítulo odioso na história da humanidade.

Responder