Nana Caymmi chega aos 71 gloriosa como sempre

Por Maya Santana
Nana nasceu no Rio e é a "cantora das cantoras"

Nana nasceu no Rio e é a “Cantora entre as Cantoras”

Nesta segunda-feira,  uma de nossas cantoras mais extraordinárias, Nana Caymmi, completa 71 anos de vida. Fiquei sabendo do aniversário numa conversa com o amigo Toninho Reis, que vive em Cingapura e me ligou, como faz sempre, para saber notícias do lado de cá. Lá pelo meio da conversa, ele me disse que tinha acabado de  falar com Nana, sua amiga desde os tempos em que morava em Nova York. E me confidenciou que ela aniversaria em 29 de abril. A nossa pequena homenagem a Nana, uma das maiores cantoras que o Brasil já produziu.

Nascida no Rio de Janeiro com o nome de Dinair Tostes Caymmi, ela é  filha do músico Dorival Caymmi e da cantora Stella Maris , o que significa que a música na sua vida chegou pela via genética – assim como ocorreu com os irmãos, Dori e Danilo. Eu amo Nana e  desde que me lembro acompanho a carreira dela, iniciada há mais de 50 anos, na década de 1960, com a participação na faixa Acalanto, no álbum do pai. Ele compôs a canção em sua homenagem, quando a cantora ainda era criança:

Daí em diante, Nana Caymmi caminhou com passos firmes em direção ao sucesso, que veio entremeado com uma vida afetiva cheia de fortes emoções. Casou e se descasou algumas vezes – com o  médico Gilberto José Aponte Paoli, com quem viveu muitos anos na Venezuela,teve duas filhas, Estela e Denise, e o filho João Gilberto –  e com os músicos Cláudio Nucci e Gilberto Gil.  Mulher moderna, exuberante, confiante na sua estatura, não deixou que nada abalasse a grandeza da Nana artista. Musa de Milton Nascimento, amiga de infância de Nelson Freire, já foi chamada de”A cantora entre as cantoras”, 

Nana cantou com todos os grandes nomes da música popular brasileira, a começar pelo próprio pai, continuou com Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Chico Buarque, Maria Bethânia, Milton Nascimento, Gil, a filha Estela, enfim todo mundo que conta no cenário musical brasileiro. Já foi tema de documentário, “Rio Sonata”, do francês Georges Gachot; de vários programas de televisão, cantou em diversos países, sobretudo da América do Sul. Seu talento superior não escapou nem ao poeta Carlos Drummond de Andrade, que a teria citado no poema  “A Festa (Recaptulação)”, publicado no jornal Correio da Manhã, em fevereiro de 1969. Ainda não consegui achar esse poema. Vou atrás e publico aqui assim que encontrar. Enquanto isso, vamos ouvir mais Nana Caymmi:


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





4 Comentários

Quirino Minossi 27 de janeiro de 2021 - 20:21

Sem dúvida um estrela da Canção Romântica.

Responder
dOtruk 25 de abril de 2015 - 22:31

Olá! Pra te avisar que o poema “A Festa (Recapitulação)” de CDA, aterrissou hoje como uma das boas novidades, e certamente dentre todas a mais original, em 3 folhas manuscritas, ocupando um dos álbuns de fotos, de uma das páginas de comunidade para Nana, abertas no facebook, mais precisamente nesta: https://www.facebook.com/pages/Nana-Caymmi/261443044559

Acreditamos que se o mesmo for aqui republicado ou publicado neste seu espaço em moderna digitalização, será para a poesia brasileira, particularmente enquanto presente ao universo cibernético, de um inestimável valor.

Cordialmente,
dOtruk.

Responder
lisa santana 29 de abril de 2013 - 13:03

Minha cantora dileta. Vida longa!

Responder
Toninho Reis 29 de abril de 2013 - 00:22

Bela materia, Maya. Sempre Nana. Com certeza irei deixa-saber, bjs

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais