fbpx

Não, a vida não começa aos 40 – Eliane Brumm

Por Maya Santana

O que significa “a vida começa aos 40”?

O que significa “a vida começa aos 40”?

Parece uma epidemia. Não paro de ouvir e de ler que “a vida começa aos 40”. A frase não é nova, talvez tenha até uns 40 anos… Hoje, porém, ela parece ter deixado o marketing publicitário para virar filosofia da vida cotidiana. E em bocas que costumam dizer coisas que valem a pena. De uns tempos para cá, atrizes e escritoras interessantes têm repetido esse slogan, depois de passar dos 40. Li várias vezes essa frase em revistas femininas diferentes, ditas por mulheres diferentes, mas incluídas no pacote do “bonita-e-bem-sucedida”… e com mais de 40.

Entendo que a frase é simpática. E bem intencionada. E tenha sido até revolucionária no passado recente. Afinal, mesmo durante boa parte do século XX acreditava-se que a vida acabava aos 40 – a vida das mulheres, pelo menos. Ou, pelo menos, acreditava-se que, depois dos 40, o mais emocionante que uma mulher poderia esperar seriam os netos (que, acredito, sejam mesmo algo bem emocionante). Entendo também que é uma conquista existirem protagonistas de novelas com mais de 40 anos e mulheres em todas as áreas criando depois dos 40. Receio, porém, que estejamos enfiando o nosso pé em uma nova armadilha. E, em vez de uma frase meio marqueteira, meio lugar comum, que se diz aqui e ali quando falta assunto, ao ser levada a sério torne-se uma sentença.

O que significa “a vida começa aos 40”? Fiz uma pequena pesquisa em blogs e revistas e parece que significa o seguinte: a vida começaria aos 40 porque as mulheres ainda estariam bonitas, já seriam donas de uma carreira consolidada e financeiramente estáveis, teriam passado por percalços suficientes para se sentirem mais confiantes e, então, sem as pressões e inseguranças dos 20 e até dos 30, estariam mais livres para inventar novos rumos para suas vidas – e novos rumos que estariam mais próximos de seus desejos.

Significava também que, aos 40, as mulheres já estariam com os filhos crescidos e, portanto, teriam superado certo peso da maternidade. Mas acho que essa parte do pacote já perdeu força, na medida em que hoje muitas mulheres estão justamente tentando engravidar ou com filhos pequenos ao completar 40 anos. Nesse sentido, o mais correto a afirmar nesses dias é que, em muitos casos, a vida dos filhos começa quando suas mães têm 40 anos. E acho que este é um bom tema para outro momento.

Por que eu desconfio da afirmação de que “a vida começa aos 40”? Primeiro, porque nela está implícito que existe uma espécie de “vida de verdade”, enquanto a outra, a que veio antes, seria uma vida menor. Eu acho que é preciso ter medo, muito medo, da tal da “vida de verdade”.

Seja aos 40 ou em qualquer idade, a tal da “vida de verdade” é fonte de muito sofrimento desnecessário. Ela coloca nossas vidas imperfeitas – e tudo e todos que dela fazem parte – como sendo sempre insuficientes diante de alguma outra vida imaginária. Ou nos instala no modo de espera de algo extraordinário que ainda vai acontecer e nos arrancar do que interpretamos como uma mesmice aquém do que merecemos. A “vida de verdade” é uma grande mentira. E a história de que “a vida começa aos 40” a reforça. Nesse ritmo, talvez a vida não comece nunca. E acho que há gente demais – mulheres e homens – vivendo à espera de que a vida comece, sem reparar que ela já vai pelo meio.

Se formos levar na literalidade da letra que a vida começa aos 40, seria muito triste. Seria mesmo desesperador. Se, ao alcançar os 40 uma mulher chegasse à conclusão de que o que se passou antes foi apenas um preâmbulo para uma vida – e não a vida em si, com toda a sua quantidade de drama e de nadas – haveria um motivo bastante legítimo para se matar aos 40. Afinal, o que foi que você fez antes se não era vida o que estava acontecendo? Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





3 Comentários

Angela Pires 25 de outubro de 2017 - 01:30

Belo texto ! Mas eu diria que não existe a vida começar ou ‘ recomeçar’ em qualquer idade… a Vida sempre está aí para ser vivida recomeçando ou não, terminado ou não… e, o que nos dará o maior sentido e entendimento da vida que estamos a viver é o prenúncio de estarmos a perdê-la .

Responder
Elizabete Kuhn 29 de julho de 2016 - 17:23

Eu acredito que a nossa vida recomeça todos os dias , a cada novo amanhecer através do amadurecimento e experiências vividas . Amanhã completo 57 anos . Sou uma pessoa muito feliz , pois aos 52 recomecei . Hoje me reconheço como uma mulher livre m mas que ainda tem muito a aprender ! O tempo nos ensina grandes lições e viver essa idade para mim tem sido o melhor tempo, isso é o que importa, sei o quero e principalmente sei o que não quero , portanto, viva sim a idade de cada dia ! amo viver e amo me amar !

Responder
Heloisa Schuch 27 de abril de 2015 - 22:15

Eu digo por experiência própria que a vida pode recomeçar aos 40 e ser bem vivida como sempre foi ou até melhor…isso sim é uma verdade. Muitas mulheres ao chegar aos 40 acham que estão velhas, feias, sofridas e se fecham para a vida.Eu recomecei em todos os sentidos…novo amor, novo emprego e um monte de coisas novas que me fez renascer.Hoje tenho 61 anos e sou uma mulher bem resolvida, tenho 4 filhas lindas do casamento que vivi até os 40, 3 netos lindos e amados de sua vó e me sinto muito bem e feliz, apesar de hoje estar sózinha(sem relacionamento), por opção de vida e me sinto bem assim.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais