Neymar e o nosso destino, por Moraes Moreira

Por Maya Santana
O endeusado camisa número 10 da seleção brasileira

O endeusado camisa 10 da seleção brasileira, 22 anos

Veja que primor este poema que o genial cantor e compositor Moraes Moreira compôs em homenagem ao jogador Neymar. A bonita homenagem do artista está na edição desta terça-feira de O Globo:

Leia:

Por que será que o destino
Silencioso trabalha
Deixando o nosso menino
De fora dessa batalha?
Será que nas horas mortas
Tirando uma de esperto
Escreve por linhas tortas
O nosso caminho certo?

O destino é muito forte
Vive com fogo a brincar
Às vezes arrisca a sorte
Dando mole para o azar
Vai traçando e nada escuta
Não é um porto seguro
E deixa que a força bruta
Se imponha ao talento puro

O destino não é claro
E nem tem medo de escuro
No tempo do desamparo
Ofusca a luz do futuro
E aí só mesmo os profetas
Pensadores geniais
Os anciãos, os poetas
Perceberão os sinais

Eu vou zombar do destino
E confiar no meu taco
O que vier eu assino
Como dizia o polaco (Leminski)
O destino é tudo ou nada
O que rolar eu aceito
Se a bola vier quadrada
Eu vou matá-la no peito

Por tudo isso eu destino
A Neymar este poema
Um gigante pequenino
Que não esquece o seu lema
Cumprindo bem o seu rito
Mesmo que fora de ação
O tempo todo em espírito
Joga com a seleção


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais