fbpx

No Brasil, “é preferível morrer que ficar preso”

Por Maya Santana

cadeias absurdamente lotadas são comuns no Brasil

Frei Betto

Dá título a este artigo afirmação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, proferida a 13 de novembro. O ministro sabe o que diz. O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo. Perde apenas para EUA, China e Rússia.

Hoje, nossas cadeias abrigam 515 mil pessoas em 1.312 unidades prisionais com capacidade máxima para acolher 306.500 detentos. Se o sistema judiciário brasileiro fosse menos lento e mais humanitário, 36 mil detentos já deveriam ter sido soltos ou beneficiados com a progressão de penas.

A Lei de Execução Penal assegura a cada preso seis metros quadrados de espaço na cela. Hoje, a maioria se espreme entre 70 centímetros e um metro quadrado. Daí as frequentes rebeliões.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo

O Brasil não tem política prisional e muito menos de reintegração social dos detentos. Diante da violência urbana, muitos clamam, ingenuamente, por mais cadeias. Pressionados pelo clamor popular, governos federal e estaduais investem em prisões o que deveriam destinar a escolas.

Nossas cadeias são verdadeiros queijos suíços, com multiplicidade de buracos. De dentro das celas, bandidos usam celulares para extorquir incautos (o golpe do sequestro de parentes) e comandar o crime organizado. Drogam-se com cocaína, maconha, crack, e recebem bebida alcoólica.

Privatizar presídios é a solução? Sim, para enriquecer empresários. Esse sistema estadunidense já é adotado nos estados de Pernambuco, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo e Santa Catarina. A empresa dona do presídio cobra do Estado o que ele gasta, em média, com cada detento: R$ 1.500. E mais R$ 1 mil por cabeça. Ao todo, R$ 2.500 por prisioneiro. Ora, quanto mais tempo o preso permanecer ali dentro, tanto mais lucro. Sem que haja preocupação de reintegração social. Leia mais em www,brasildefato.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

oito + cinco =

2 Comentários

Avatar
toninho reis 28 de novembro de 2012 - 14:05

Ja cheguei a concluzao salve-se quem puder, o resto eh sorte………….

Responder
Avatar
lisa santana 28 de novembro de 2012 - 12:16

Tem coisa demais na casa pra arrumar. Como muito do país foi construído na contravenção, desmembrar o castelo e tornar a arrumar é que é o nosso grande desafio.Vamos precisar de um povo atento, tempo e bons governantes. Que os anjos guardiões dos povos nos protejam que todo dia é dia de luta!

Responder