fbpx

O decote da atriz ou o problema de ser sexy aos 69 em Hollywood

Por Maya Santana

Alguns se incomodaram com o decote ousado da super premada atriz

Alguns se incomodaram com o decote ousado da quase septuagenária Susan Sarandon

Achei muito, muito bom este artigo de Noelia Ramirez para o El País sobre a reação, principalmente dos mais conservadores e preconceituosos, ao decote ousado da super premiada atriz Susan Sarandon, que completará 70 anos em outubro, durante uma cerimônia do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (Screen Actors Guild), em Hollywood. É incrível como o preconceito e o desrespeito podem se manifestar em qualquer parte do mundo, mesmo em lugares onde as pessoas, supostamente, são mais arejadas de cabeça. Achei um acinte os comentários sobre o traje dessa extraordinária atriz que, alheia à idiotice típica dos pobres de espírito, chegou de mãos dadas com a filha.

Leia o artigo do El País:

Foi só observar todo o burburinho absurdo que o decote de Susan Sarandon suscitou na premiação do sindicato dos atores (SAG) no fim de semana passado e nos veio à mente o infame tuíte postado por Donald Trump durante a cerimônia do Oscar em 2014, quando se uniu à onda de críticas vergonhosas sobre o aspecto dessa lenda viva do cinema que é Kim Novak: “Kim deveria processar seu cirurgião plástico.”

Há dois anos ele se meteu a falar da aparência do ícone de Alfred Hitchcock. Um dos esportes favoritos das redes durante as festas de fim de ano foi especular se Carrie Fisher estava muito “caída” na volta da princesa Leia a Star Wars. Neste fim de semana, como em uma espécie de eterno-retorno, foi a vez de discutir se os peitos de Susan Sarandon mereciam ou não ser exibidos sobre o tapete vermelho. “Ninguém quer ver seu decote de velha! Cubra isso!”, tuitou Karen Salkin, uma pseudotentativa de Joan Rivers sem graça. É apropriado que os seios de Susan Sarandon apareçam na abertura do in memoriam?, dizia outro tuíte.

Susan Sarandon e a fillha, Eva Amurri. MARK RALSTON AFP

Susan Sarandon e a filha, Eva Amurri. MARK RALSTON AFP

Sarandon — uma ativista exemplar de 69 anos, embaixadora da Unicef, vencedora do Oscar, do Bafta e do prêmio do Sindicado dos atores, algo de que não podem se gabar todas essas contas repletas de moralismo— provavelmente ignora as críticas que seu poderoso vestido de Max Mara despertou nas redes. Mas falatório sobre a protagonista de Thelma e Louise expôs mais uma vez o recalcitrante preconceito de idade hollywoodiano. Ou, como resumiu Guillermo Alonso sobre esse episódio na Vanity Fair: “O que está por trás disso realmente é que uma mulher veio reforçar que os seios também existem aos setenta anos. E que têm o direito de ser mostrados.

Provavelmente de forma inconsciente, Sarandon realizou no sábado, na premiação do SAG, algo ostensivo e corajoso: mostrou seus peitos com orgulho, o fez com uma roupa que Hollywood só teria perdoado a uma atriz de vinte anos, surgiu de mãos dadas com a filha e se expôs às críticas negativas que certamente sabia que viriam ao apresentar uma seção delicada, a da lembrança de figuras que nos abandonaram no último ano, mostrando algo que todos os vivos deveriam comemorar. Vocês estão mortos, mas aqui queremos viver os prazeres do vinho e da carne enquanto for possível”. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

treze + dezesseis =