O que candidatos têm feito para ganhar eleitores

Por Maya Santana
Marina Silva,56, trabalhou a sobranceira e aderiu à maquiagem

Marina Silva,56, trabalhou a sobranceira e aderiu à maquiagem

Como sabem que ficarão muito expostos, em toda campanha eleitoral os candidatos procuram aparecer e parecer o melhor possível. Para isso, recorrem ao que está ao alcance: cirurgias plásticas, botox, mudam o corte e a cor dos cabelos, passam a usar maquiagem mais carregada, a cor da roupa fica mais clara ou escura… tudo em nome da sedução dos eleitores. O jornal o Globo publicou esse artigo de Michele Miranda sobre como os principais presidenciáveis mudaram na atual campanha eleitoral.

Leia:

Na corrida pelo cargo de presidente da República, estar em dia com a estética não é apenas um detalhe no mar de deveres a serem cumpridos, como apresentar uma campanha eleitoral convincente e ter aliados políticos. Vale tudo para abocanhar alguns votos: fazer plástica, mudar a sobrancelha, maquiagem definitiva, clarear os dentes. Enquanto Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, de 66 anos, já encontrou seu espaço como mulher na política e nesta campanha “só clareou os cabelos”, segundo seu hairstylist Celso Kamura, Marina Silva (PSB), de 56 anos, ainda tenta adequar sua naturalidade à sofisticação que o cargo exige. Já Aécio Neves (PSDB), de 54 anos, perdeu peso, fez implante capilar, fez uso de botox, de acordo com especialistas, e tem sido elogiado pelos ternos que escolhe para a TV e pela informalidade da calça jeans quando sai em campanha nas ruas.

Dilma abandonou os óculos, mudou o corte e clareou os cabelos

Dilma, 66, clareou os cabelos nessa campanha

— Dilma como ministra era completamente diferente. Ela fez plásticas, maquiagem definitiva nos olhos, trocou os óculos pelas lentes de contato e agora ela tem experiência de ser mulher na política, e manteve o estilo da primeira campanha — analisa Paula Acioli, coordenadora do curso de gestão de Moda, da FGV. — Marina está em construção. Sempre que ela aparecer, vamos ver diferença; ela já acertou a sobrancelha e rendeu-se à maquiagem, mas não precisa mudar o estilo nem ir contra as regras da religião evangélica, é só trabalhá-lo melhor, sofisticar a naturalidade de que ela gosta tanto, como o uso das echarpes e lenços, que podem ganhar um caimento melhor. As duas têm em comum o gosto pela alfaiataria, usado pelas mulheres da política e executivas. Marina opta por tons claros. Dilma costuma usar vermelho e foi o que fez no segundo debate: como caiu nas pesquisas, tratou de escolher um blazer vermelho para acentuar seu poder e reforçar sua origem petista.

Quem pensa que um corte de cabelo ou um batom vermelho são escolhidos ao acaso ou apenas para ficar na moda se engana. Cesar Augusto, embaixador da L’Oréal Professionnel, enumera a quantidade de mensagens que podem ser transmitidas aos eleitores através da estética.

Aécio Neves, 54, fez dieta, implante no cabelo e botox

Aécio Neves, 54, fez dieta, implante de cabelo e botox

— A maquiagem é fundamental para esconder a imagem de cansaço na maratona de campanha; eles dormem pouco e têm muitos compromissos. Aécio, por exemplo, deve optar pelo BB Cream (uma espécie de base que corrige as imperfeições da pele) com pó compacto, além de usar porcelana nos dentes para dar mais força ao sorriso e um xampu que dá um ar acinzentado ao cabelo, sem esconder o grisalho, transmitindo experiência — opina. — Todos os candidatos optaram por um corte e um penteado que deixe a testa livre, porque isso passa intelecto, credibilidade e maturidade. É só pensar nos Beatles, com aquelas franjinhas, eles eram considerados imaturos, inocentes. Aposto que Dilma e Aécio cortam o cabelo a cada 15 dias, para estar impecável e dar um ar de organização.

O botox, ou a toxina botulínica, começou a ser usado como tratamento médico no início dos anos 1990 e virou uma febre em Hollywood nos anos 2000 como uma maneira de prolongar a juventude física, minimizando as rugas e marcas de expressão. Não tardou para cair no gosto de outros setores para além das celebridades. Por que não na política, já que os candidatos aparecem cada vez mais na TV? clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais