O que é preciso fazer para chegar bem aos 100 anos

Por Maya Santana
 São 13 as condições para se chegar bem lá

São 13 as condições para se chegar bem lá

Este artigo foi escrito por Angeles Gomés Lópes para o jornal El País e relaciona o que é preciso fazer, segundo a ciência, para se chegar aos 100 anos gozando de boas condições físicas e mentais. Eis aqui 13 chaves:

1. Reduza seu consumo de calorias. O impacto da restrição calórica no aumento da longevidade é uma das propostas que possuí mais evidências científicas. Uma equipe de pesquisadores espanhóis demonstrou que esse efeito ocorre porque ao se reduzir as calorias são ativadas proteínas sirtuínas, que têm a capacidade de silenciar o envelhecimento. No entanto, outro estudo descarta que a longevidade aumente por se comer menos calorias (reduzi-las entre 10% e 40%), apesar de reconhecer que uma dieta pouco calórica melhora os valores do colesterol e da glicose. Não fique abaixo da recomendação da OMS: entre 1.500 e 2.500 Kcal por dia.

2. Não se esqueça dos brócolis, das frutas e do café. Frutas, hortaliças, café, vinho e legumes são alimentos ricos em polifenol, um composto que tem propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e anticancerígenas. Por isso, uma dieta rica em polifenóis está relacionada a uma queda da mortalidade de 30% em pessoas acima dos 65 anos, de acordo com um estudo publicado no Journal of Nutrition. Se, além disso, a cenoura, os brócolis e o espinafre são outros alimentos imprescindíveis em sua dieta, você está acrescentando saúde, já que a grande presença de alfa-caroteno está ligada a um risco menor de morte durante um período de 14 anos, de acordo com um estudo publicado no JAMA.

3. Uma vez por semana coma torradas com gordura de porco. A evidência científica cala as vozes que classificam como pouco saudável a gordura do porco. Uma pesquisa da Universidade de Córdoba, com camundongos, publicada no The Journal of Gerontology, descobriu que a dieta de poucas calorias que incluía a gordura de porco aumentava o benefício da restrição calórica sobre a longevidade, muito mais do que nas dietas com óleo de soja ou de peixe. A chave da gordura de porco está em seu alto conteúdo de ácido oleico, que tem influência sobre a morte celular em órgãos estratégicos, como o fígado, os músculos e o esqueleto. Uma ideia? Passar no pão do café da manhã aos sábados.

4. Mantenha distância dos pneuzinhos. O acúmulo de gordura na cintura pode ser um indicador de algo mais perigoso: a existência de gordura visceral, que é um dos principais fatores de risco para desenvolver doenças cardiovasculares. Um estudo da Universidade de Leiden (Holanda) em pessoas acima de 65 anos descobriu porque os homens de famílias muito longevas têm um perfil cardiometabólico excepcionalmente saudável (seus valores de glicose, colesterol e pressão arterial se mantêm normais): eles têm pouca gordura abdominal e visceral. Infelizmente, essa proteção não se herda nas mulheres. Caso tenham problemas de obesidade em geral, basta perder cinco quilos para diminuir consideravelmente a possibilidade de desenvolver doenças cardiovasculares e diabetes. Isso, ampliado a toda população durante vários anos, reduziria um terço das mortes por doenças coronarianas.

5. Caminhe meia hora por dia. Se, além disso, repetir a rotina seis dias por semana, reduzirá em 40% o risco de morrer por qualquer causa, segundo publicou o British Journal of Sports Medicine. “A atividade física previne uma enormidade de processos fisiológicos e patologias relacionados ao envelhecimento, como a perda de massa muscular, a osteoporose, as doenças cardiovasculares e neurodegenerativas”, afirma Fabián Sanchís-Gomar, do Instituto de Pesquisas do hospital 12 de Outubro de Madri, que publicou vários estudos sobre esse assunto. Sua recomendação é “combinar exercício aeróbico de intensidade moderada, como andar rápido, fazer bicicleta ou correr durante 30 minutos por dia, cinco dias com exercícios de peso, dois ou três dias por semana não consecutivos”. Mas se quiser aumentar ainda mais a longevidade, “aumente a intensidade e o tempo do exercício até 45 minutos, uma vez que está relacionado com uma maior expectativa de vida”, acrescenta. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





6 Comentários

Maria Palmira Alfeld 5 de junho de 2017 - 16:01

Minha mãe tem 95 anos, não faz nada disso é muito saudável, usa açúcar branco , nao come frutas e

Responder
Rosângela Rolim 4 de dezembro de 2017 - 22:59

Sua mãe é exceção!!!!

Responder
Lucia Ondina Da Silva 4 de junho de 2017 - 14:28

Achei ótimo essa pesquisa!

Responder
maria andrade da silva oliveira 7 de junho de 2015 - 14:43

eu queria chega la ja tenho 61 estou bem queria aprender mais

Responder
Antônia 6 de junho de 2015 - 22:00

Tenho 69 anos pressão alta controlada alimentação saudável vou voltar caminhar e musculação tinha perdido a motivação preciso muito começar esse artigo me ajudou muito obrigado

Responder
Maria José 5 de junho de 2015 - 21:41

A vida é feita de movimentos…Esta esperando o que pra começar?
O importante é saber envelhecer através do nosso aprendizado.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais