fbpx

O que é preciso para a mulher conciliar seu papéis

Por Maya Santana

Ela precisa de umarede de apoio como parentes, amigos, empregados domésticos

É necessário apoio dos parentes, amigos, empregados domésticos

Com a preocupação de apoiar suas leitoras no universo profissional, o blog 50emais fez uma parceria com a Rede Aptta, organização voltada para potencializar os talentos femininos. Queremos destacar que novos caminhos profissionais e pessoais estão abertos para as mulheres que já cruzaram a fronteira dos 50 anos, estimulando-as a buscar uma outra dimensão para esse ciclo da vida. O texto a seguir é fruto dessa parceria, que faz parte do nosso esforço de participar de forma mais intensa da vida dos internautas que nos acompanham.

Juliana Andrade e Adriana Fantoni

Em nossas orientações de carreira, muito temos discutido sobre o apoio social necessário para que a mulher consiga conciliar seus diversos papéis, especialmente os de mãe e profissional.

Mapear sua rede de apoio como parentes, amigos, empregados domésticos e instituições próximas de casa ou do trabalho é o ponto de partida para a organização da rotina de mães e filhos.

Mas…. será que é só isso? Simples assim? Nem sempre…

O que vemos é uma verdadeira dificuldade das mulheres em delegar e assumir para si mesmas que existem outras formas de cuidado que também dão certo.

A questão fundamental nesses casos passa pela velha equação razão x emoção, onde, muitas vezes, a emoção, a insegurança e a carência da mãe fazem com que ações práticas ganhem espaço na rotina.

Algumas dicas para começar:

• Defina e faça uma escala, dentro da família, parentes, amigos e instituições próximas à sua residência ou trabalho, de quem pode cuidar dos filhos na sua ausência.

• Faça anotações sobre a rotina, horários, hábitos e particularidades de seus filhos, que mereçam atenção de quem cuidará deles em determinados períodos do dia.

• Foque no cuidado e na atenção quando vocês estiverem juntos. A qualidade do tempo que passam juntos ajuda na administração da culpa pela ausência.

• Transmita confiança às pessoas responsáveis por seus filhos para que possa continuar contando com elas.

Para quem está do outro lado, sendo a avó a cuidar dos netos, por exemplo, tente equilibrar “meus filhos, minhas regras” com “minha casa, minhas regras”. Dessa forma, você respeita a conduta de seu filho ou filha, ao mesmo tempo em que exerce a sua liberdade para fazer mimos e outras coisas que acha corretas e que não farão mal algum, afinal, o amor prevalece.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

17 − onze =