O Tempo

Por Maya Santana
Tempo, tempo, tempo

Tempo, tempo, tempo

Lisa Santana

Nos tempos de agora
Todo mundo procura o tempo
Mas ninguém acha o tempo pra nada
Procurei o tempo nas gavetas
Procurei o tempo na memória
Procurei o tempo nas dobras
Do meu vestido

E percebo que o tempo
Foi-se embora.
Acho que o tempo
Só sobrou nas histórias.
Pensei:
O tempo anda sem tempo
Porque o tempo não arrasta
Voa.

Que pena!
O tempo não tem tempo
Pra ficar de boa.
O tempo não tem tempo
Nem de ficar atoa!
Já convidei o tempo
Pra chupar jabuticaba,
Comer amora,
Nadar na lagoa,
Catar gabiroba…

Pra ver a vida passar pela Janela,
Ou pescar logo pela manhã!
Mas ele deve tá morto de cansado
Coitado!

Pois cadê que ele aparece?
O pobre do tempo
Anda mesmo sem tempo.

Elisa Santana é professora de Artes Cênicas da PUC/MG e Poeta


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





4 Comentários

Elzira Divina Perpétua 6 de julho de 2014 - 18:48

É, Lisa, seu poema toca de modo sensível nesta questão maluca do tempo (aliás, da falta dele), que cada vez mais intensamente faz parte de nossas vidas. É bom ler que alguém fala sobre isso na poesia, com bom humor e fora do cotidiano massacrante. Parabéns pelo belo poema! Que venha logo o livro.
Elzira

Responder
lisa santana 5 de julho de 2014 - 19:53

Ei Ana!!! Já tô pensando nisto. Em outubro farei um show de lançamento de um CD intitulado “Soneto 88” onde canto músicas e melodias minhas e um livro de poemas: “Os Peixes do Meu Pano de Prato”. Você já está convidadíssima!!! Bjs.

Responder
ana maria 5 de julho de 2014 - 17:41

Lisa, publique seus versos. Tá + q na hora. bj

Responder
lisa santana 5 de julho de 2014 - 01:51

Ei Maya, faltou um pedacinho de verso no final deste poema: ” E isto, ninguém merece1″

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais