fbpx

Os 5 tipos de doenças que podem impedir uma velhice saudável

Por Maya Santana

Atividades físicas, dieta equilibrada e estímulo das habilidades cognitivas previnem a maior parte das doenças da velhice

Atividades físicas, dieta equilibrada e estímulo das habilidades cognitivas previnem a maior parte das doenças da velhice – (Thinkstock/VEJA)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou no final do ano passado os últimos dados sobre a longevidade do brasileiro: 74,9 anos, quase quatro anos a mais que na última década. A idade avançada, entretanto, trouxe a carga das doenças crônicas. Diabetes, hipertensão ou câncer deixaram de ser sentenças de morte e são contidas com medicamentos e tratamentos.

“Transformamos doenças que, antes nos matavam, em males crônicos e isso possibilitou que vivêssemos mais. O segundo passo é trazer qualidade de vida para quem vive com esses males”, explica Reinaldo Ayer Oliveira, professor de bioética da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). “Esse é o grande desafio da medicina atual.”

Com métodos de prevenção de fatores de risco e o desenvolvimento de medicamentos e tratamentos nos últimos 50 anos, é possível controlar e combater as doenças relacionadas ao envelhecimento. No entanto, algumas delas são profundamente incapacitantes, como o Alzheimer, que promove a perda de memória e declínio cognitivo, ou o câncer, que exige exames e cuidados constantes. O limite entre os males que a medicina é capaz de superar e aqueles que ainda são um desafio está, além do investimento em estudos, prevenção e mudança de hábitos, na qualidade de vida que as terapias de combate proporcionam. “Envelhecer não é um processo de deterioração. É apenas uma nova fase, com seus limites e possibilidades, que deve ser enfrentada com os cuidados que exigem. A questão mais importante, hoje é olhar essa fase como uma época em que se deve viver bem”, afirma Ayer.

Alzheimer
As demências são caracterizadas por uma perda progressiva de diversas funções cognitivas, como perda da memória, capacidade de compreensão e de expressão. A forma mais comum de demência senil é o Alzheimer, doença que consiste no depósito de placas de proteínas beta-amiloides e proteínas tau no cérebro. O acúmulo dessas placas tem sido apontado pelos pesquisadores como um dos responsáveis pelas alterações cerebrais da doença, que levaria ao declínio da cognição. A estimativa da OMS é que as pessoas que exibem a condição devem saltar das atuais 44 milhões para 135 milhões em 2050, de acordo com os dados da OMS. A prevalência aumenta de 5% a 8% em pessoas com 60 anos e dobra a cada 5 a 9 anos. A probabilidade é que, aos 95 anos, 175 idosos em cada 1.000 tenham a doença. Atualmente, é feito o controle dos sintomas, com medicamentos que melhoram as funções cerebrais e buscam retardar o aparecimento da doença. Os médicos também buscam prevenir seu aparecimento, indicando o combate da obesidade, diabetes e hipertensão, que são alguns dos fatores de risco, além de recomendar atividades que representem desafios cognitivos, como aprender novas línguas. As evidências sugerem, entretanto, que o Alzheimer é uma deformação de um processo natural de envelhecimento do organismo o que faria com que, em alguns anos, a condição possa ser controlada como uma doença crônica.

Câncer
A incidência de muitos tipos de câncer aumenta com a idade, particularmente depois dos 60 anos, e de acordo com a OMS deve crescer 69% até 2030. As estimativas dos cientistas demonstram que o risco de câncer de mama é de cerca de 1 em 400 em uma mulher de 30 anos, enquanto aos 70 anos é de 1 para 9. Dados da ONG Cancer Research mostram que, na Grã-Bretanha, a incidência de câncer masculino aumenta de 116 por 100 000 na faixa etária dos 40 anos, para 3.398 por 100 000 após os 85 anos. Isso acontece porque a doença está ligada ao processo biológico de reprodução das nossas células. Às vezes, o crescimento descontrolado das células cancerosas tem origem numa mutação causada por um agente cancerígeno. No entanto, em muitas outras situações, a causa parece ser uma mutação aleatória, ocorrida no processo normal de cópia de genes quando nossas células se reproduzem. As células se dividem, inevitavelmente mutações se acumulam sobre mutações e, a longo prazo, talvez seja impossível desconectar o câncer de nossos corpos. Além de cirurgias, quimioterapias e radioterapias, os médicos indicam a dieta equilibrada, com consumo moderado de álcool e combate ao fumo, além de atividades físicas, como algumas das maneiras de evitar o aparecimento de tumores. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais