fbpx

Os 50 anos do inesquecível “A Noviça Rebelde”

Por Maya Santana

[tribulant_slideshow gallery_id=”68″]
Imagens do filme-musical que estreou com absoluto sucesso em março de 1965

Eu me lembro perfeitamente quando, adolescente, fui assistir a este filme, estrelado pela linda Julie Andrews, num cinema de Belo Horizonte. Fiquei um tempão com a trilha musical na cabeça. Implacável, o tempo correu. E já se passaram 50 anos. A história de uma família judia – Von Trapp – fugindo dos nazistas, contada através do musical, faz sucesso até hoje.

Leia o artigo do Zero Hora:

No dia 2 de março de 1965, Julie Andrews correu pela primeira vez montanha acima e cantou como as colinas estão vivas com o som da música. Exatamente 50 anos depois da estreia no cinema, A Noviça Rebelde continua deleitando plateias no mundo todo — como ficou comprovado na recente entrega do Oscar, cujo ponto alto foi a comovente homenagem ao musical de maior sucesso de todos os tempos.

— Querida Lady Gaga, muito obrigada por esse maravilhoso tributo — agradeceu a protagonista Julie, 79 anos, ainda bela e encantadora como a jovem Maria da história, depois que a cantora pop interpretou com talento um medley com as canções The Sound of Music, My Favorite Things, Edelweiss e Climb Ev’ry Mountain (veja abaixo).

Produção vencedora de cinco Oscar (melhor filme, diretor, montagem, som e trilha sonora), A Noviça Rebelde desbancou na época …E o Vento Levou (1939) do posto de maior bilheteria de todos os tempos. Ajustado aos valores atuais, o longa tem a terceira maior bilheteria da história nos EUA (o primeiro, após relançamentos, é …E o Vento Levou) e o quinto em todo o mundo. O disco com a trilha alcançou o número 1 das paradas americanas e passou 70 semanas no topo — foi o álbum mais vendido no Reino Unido durante 1965, 1966 e 1968, e o segundo mais vendido de toda aquela década.

O êxito de A Noviça Rebelde, porém, é anterior ao célebre filme: a história da aspirante a freira que se torna governanta na mansão de um capitão austríaco e seus sete filhos estreou na Broadway em 1959. A montagem teatral nova-iorquina já incluía as inspiradas canções da dupla de compositores Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II, que se tornaram populares antes de chegarem às telas. A versão hollywoodiana também não foi a primeira aparição da história no cinema: o alemão Wolfgang Liebeneiner dirigiu A Família Trapp (1956) e Família Trapp na América (1958), filmes que fizeram sucesso na Europa germânica e chamaram a atenção dos produtores norte-americanos.

A atriz Julie Andrews que imortalizou  o musical

A atriz Julie Andrews que imortalizou o musical

A Noviça Rebelde é baseado no livro The Story of the Trapp Family Singers, em que Maria von Trapp (1905 — 1987) conta a história de sua família, obrigada a fugir da Áustria depois da anexação do país pela Alemanha, em 1938, devido à postura antinazista do patriarca Georg Ludwig von Trapp (1880 — 1947). Por conta das dificuldades financeiras com a depressão mundial de 1930, os Von Trapp começaram a cantar em público para ganhar dinheiro — o que lhes trouxe também fama, ainda que o orgulhoso oficial da marinha austríaca ficasse constrangido com a situação. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

dezessete − 8 =