Os muitos preconceitos contra a mulher solteira

Por Maya Santana
Não acabam justificativas esdrúxulas para julgar uma mulher solteira

“Não acabam justificativas esdrúxulas para julgar uma mulher solteira”

Uma mulher solteira, sobretudo a partir da meia idade, passa por muitas agruras. Por algum motivo, a nossa sociedade não valoriza nem tiquinho a mulher sozinha, sem um acompanhante – seja filho, marido, amante, companheiro de trabalho, qualquer um, desde que seja homem. Esse assunto é abordado de maneira muito interessante neste artigo, publicado com o título de “Mulheres Solteiras” pelo blog Sem Retoques, do Estadão.

Leia:

O assunto está em alta. O Huffington Post publicou uma série de textos chamada “o que eu sei sobre ser solteira” aos 20, 30 e 40 anos. O tema é sensível, porém necessário. Dia desses, uma amiga disse que estava saindo com um cara que falou para ela – veja bem, durante o encontro – que toda mulher de 30 anos (a idade dela) só pensa em se casar. Ela, claro, saiu em defesa das mulheres e de si própria. Por um triz, não respondeu: “Olha, eu até estaria casada, mas só me aparecem homens como você”. Mas se segurou. Será que deveria?

 “por que muitas mulheres só se sentem realizadas (enquanto mulher) se têm um homem ao lado?”

“por que muitas mulheres só se sentem realizadas se têm um homem ao lado?”

Pessoas, vamos lá. Amar é muito bom. Ter alguém para dividir as dores, delícias, contas, dificuldades, alegrias… alimenta o sono, o corpo, tudo que nos faz saudáveis e felizes. Um cobertor de orelha é maravilhoso – e digamos que a vida fica tão mais cinza sem uma historinha de amor para contar… A grande questão levantada por esses textos não é amar ou não amar. Para isso todo mundo tem a resposta. O questionamento é “por que muitas mulheres só se sentem realizadas (enquanto mulher) se têm um homem ao lado?”. E quando não se está com alguém (mesmo que não seja um namorado strictu sensu), é como se você tivesse de se desculpar o tempo todo e dizer “o problema não é comigo”.

A justificativa faz parte do dia a dia da mulher solteira, que, mesmo sem perguntar nada, escuta de tudo. “Você é muito inteligente, isso assusta os homens”; “Você tem personalidade forte, isso assusta os homens”; “Você é autêntica demais e assusta os homens”. A lista de baboseiras é infinita. Não acabam justificativas esdrúxulas para julgar uma mulher solteira. Não preciso nem dizer que o contrário não vale. Um homem solteiro não tem nem de esboçar uma frase sobre seu estado civil. Ninguém se dá o trabalho de perguntar.

Poxa, a maioria das pessoas não quer só um companheiro (namorado/marido), mas um encontro amoroso, não é verdade? E digamos que isso não é uma das coisas mais fáceis de se esbarrar na vida. Algumas mulheres – é preciso dizer – namoram/ficam/casam sem amor, só por medo de ficarem sozinhas e ter de responder ao mundo – e a elas mesmas – essa pergunta chata: “Nossa, mas vocêêêê, solteira? Porque, se é tão bonita?”. É muito cruel. Em uma palestra, recentemente, uma escritora contou o caso de uma grande executiva que era solteira, mas usava uma aliança só para se sentir mais respeitada no seu meio de trabalho. Repito: no meio de trabalho. Quer dizer, uma mulher solteira é menos competente do que uma casada? Ou será que ela faz isso para fugir da visão estereotipada “bem sucedida, mas sem vida pessoal”? A que ponto nós chegamos? Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





3 Comentários

Marcelo 16 de janeiro de 2019 - 19:20

Gostei da atividade desse mulher

Responder
Antônio mestre 22 de setembro de 2018 - 00:31

Eu estou com 51 e amo mulheres com 50 ou mais estou solteiro e gostaria muito de conhecer alguém porque acabei de sair de um relacionamento

Responder
Giovanna aparecida da silva 1 de outubro de 2018 - 11:47

Podemos nos conhecer

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais