Pária

Por Ingo Ostrovsky

Não dá, por exemplo, para chamar o brasileiro Pelé de pária. Esta semana ele nos deu uma aula de humildade ao se deixar fotografar no hospital – onde se recuperava de uma cirurgia – com os cabelos grisalhos

Ingo Ostrovsky
50emais

A palavra é conhecida, mas pouco usada. Começou a ser publicada com mais frequência depois que um ex-ministro do atual governo brasileiro – o das Relações Exteriores – começou a dizer que ser pária não tinha o menor problema. Ele até “prefere” ser pária do que outra coisa.

Recentemente a palavra voltou a ser usada por todos os veículos de comunicação para relatar as limitações a que os párias são submetidos na ilha de Manhattan, em Nova Iorque, onde são obrigados a comer pizza com as mãos, em pé na calçada de uma rua qualquer.

Os parias são os membros da casta mais baixa da sociedade, na India. É de lá que vem a palavra. A rigor são seres que não pertencem a casta nenhuma, são tão desprezíveis e impuros que não se encaixam em qualquer estamento social. Segundo o dicionário Houaiss, entre os párias se incluem os bastardos, os filhos de meretrizes (conhecidos entre nós como filhos-da-puta) e os que cometeram graves infrações contra preceitos sociais ou religiosos.

Você se reconhece nessas definições?

O Dicionário Analógico da Língua Portuguesa, uma obra monumental de Francisco Ferreira Azevedo (a primeira edição é de 1950) coloca os párias na companhia de gente da pior qualidade: plebe ignara, gentalha, escumalho, a ralé, a escória, a choldra, os infelizes, os miseráveis, as classes inferiores, a última camada social, o vulgo profano… e por aí vai.

Consegue ver o Brasil e os brasileiros nessas categorias?

Não dá, por exemplo, para chamar o brasileiro Pelé de pária. Esta semana ele nos deu uma aula de humildade ao se deixar fotografar no hospital – onde se recuperava de uma cirurgia – com os cabelos grisalhos. Nunca tínhamos visto o Rei de cabelos brancos. Havia até uma crença de que Pelé arrancava os fios embranquecidos da cabeça toda manhã e só se considerava acordado depois de ver no espelho o cabelo totalmente preto.

Em 2008 estive com Pelé na visita que ele fez à Vila Olímpica dos Jogos de Pequim, divulgando a Rio 2016. Depois da visita ele tinha que caminhar uns 300 metros para chegar até seu automóvel. O problema era que nesses 300 metros ele seria reconhecido e provocaria uma aglomeração de admiradores que transformaria um trajeto de 3 minutos num evento de pelo menos meia-hora. “Me deem um boné” disse o Rei. “Eu sou reconhecido pelo meu cabelo, se eu escondê-lo vou caminhar tranquilo até o carro”. Não deu outra. Com um bonezinho enfiado na cabeça ele se misturou à multidão e não foi reconhecido ou importunado.

Antes de ter alta e voltar para casa na quinta-feira Pelé convocou um cabeleireiro ao hospital para cuidar de sua marca registrada. Foi visto sorridente e de cabelo preto ao lado da esposa e dos médicos que o atenderam. Vida longa ao Rei!

Os párias? Deixa eles prá lá!

Clique aqui para ler outras Crõnicas de Domingo, de Ingo Ostrovsky


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais