Pesquisa liga adoçantes a risco maior de diabetes

Por Maya Santana
Em vez de combater, adoçantes podem estar contribuindo para a epidemia da doença

Em vez de combater, adoçantes podem estar contribuindo para a epidemia da doença

Não é a primeira vez que os adoçantes são apontados como substâncias nocivas à saúde, principalmente para pessoas que fazem grande uso deles. A diferença é que esse mais recente estudo sobre o assunto foi publicado pela respeitada revista Nature, uma das publicações científicas internacionais mais importantes do planeta. Grande ironia é que o adoçante foi criado para substituir o açúcar, o maior vilão dos produtos alimetícios.

Leia o artigo publicado pelo Zero Hora:

Um estudo publicado na revista “Nature” relaciona o uso de adoçantes com um maior risco de desenvolver intolerância à glicose — quando o organismo não produz insulina suficiente —, etapa considerada o primeiro estágio do diabete. A conclusão é polêmica: em vez de combater, os adoçantes podem contribuir com a epidemia da doença.

— Não queremos dar nenhuma recomendação sobre o uso ou não dos adoçantes. Mas o consumo massivo dessas substâncias precisa ser debatido, porque, em nossos estudos, não observamos nenhum efeito benéfico — disse Eran Segal, pesquisador do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel, e um dos coordenadores do trabalho.

Leia também:

Pesquisas relacionam consumo de adoçante à obesidade

A pesquisa envolveu testes em roedores e humanos. Os animais foram divididos em grupos: parte tomou adoçante (sacarina, aspartame ou sucralose) e outra parte, água ou açúcar. Aqueles que ingeriram adoçante desenvolveram intolerância à glicose. Para descobrir por que isso aconteceu, os pesquisadores estudaram os efeitos das substâncias na flora intestinal dos bichos.

Leia mais notícias de saúde

— Ao atravessar o estômago, essas substâncias encontram no intestino um imenso ecossistema de bactérias, que tem um papel importante na nossa saúde e pode metabolizar coisas que nosso organismo não metaboliza — diz Segal.

A hipótese dos pesquisadores se confirmou: os animais que ingeriram o adoçante tiveram alterações tanto na composição quanto na função da flora intestinal.

— Acreditamos que as substâncias induzam uma vantagem competitiva em certos tipos de bactéria e isso desequilibra o ecossistema. Outra possibilidade é que os adoçantes sejam tóxicos para alguns micro-organismos — diz Eran Elinav, também coordenador do estudo. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

Regina Coeli Azvdo 5 de novembro de 2014 - 08:42

Já tive oportunidade de tomar conhecimento, que o câncer do pâncreas está intimamente ligado ao consumo exagerado d açúcar. Ao meu ver, penso que isto se relaciona refere ao açúcar industrializado. Agora, mais esta informação a respeito dos adoçantes. Na maioria das vezes, o problema não está na substância em si, mas no excesso no modo de usar. Tenho presenciado frequentemente pessoas que usam adoçantes artificias, usá-los sem o menor critério, e quando a gente faz uma observação, a resposta é sempre a mesma: “Ah, não faz mal não, é adoçante”.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais