fbpx

Planta pode ser chave para tratar esclerose múltipla

Por Maya Santana

Aveloz é encontrada no norte e nordeste do Brasil

Esta planta típica do nordeste pode mudar os rumos do tratamento da Esclerose Múltipla. Apesar de ser cedo para alardear uma revolução terapêutica, a descoberta feita por um grupo de pesquisadores brasileiros pode ser comemorada como uma das melhores notícias dos últimos anos para portadores da doença e seus familiares.

A grande sacada da pesquisa atende pelo nome de aveloz, uma plantinha conhecida tradicionalmente no Norte e Nordeste por seus poderes milagreiros e que de uns tempos pra cá começou a ganhar a atenção formal de cientistas. O estudo foi publicado na renomada publicação  Biochemical Pharmacology e está sendo capitaneado pelos pesquisadores Prof. Dr. Rafael Cypriano Dutra e Prof. Dr. João Batista Calixto, ambos da Universidade Federal de Santa Catarina, além do Dr. Luiz Francisco Pianowski, do laboratório Kyolab.

A pesquisa começou há dois anos e seus resultados são bem promissores. “Nós demonstramos que o euphol inibe significativamente o desenvolvimento da Esclerose Múltipla em camundongos quando administrado por via oral. Além disso, nós descobrimos que ele (o euphol) bloqueia seletivamente as células que induzem a doença. Conseqüentemente, os animais tratados com o euphol não apresentam os sinais clínicos da doença”, afirma o Dr. Rafael Cypriano. O tal do euphol vem de Euphorbia tirucalli nome científico da avelóz. Ele é o componente que, quando isolado, combate a doença.

A Esclerose Múltipla atinge 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo. “A doença acomete, principalmente, indivíduos brancos, na faixa etária entre 20 e 40 anos e com forte predomínio sobre o sexo feminino”, diz o Dr. Rafael. No Brasil, há 15 casos para cada 100 mil habitantes. Em alguns países do Hemisfério Norte esse número sobe para 100 ocorrências a cada 100 mil pessoas. Leia mais www.revistagalileu.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

catorze − 8 =

6 Comentários

Avatar
Marcelo Henrique 26 de novembro de 2017 - 12:13

Gostaria de saber, também, se alguem faz uso do Aveloz na EM. Grato.

Responder
Avatar
CLEUNICE ALVES DIAS 5 de janeiro de 2014 - 11:47

SALVE DEUS! Moro em Belo Horizonte, e tenho a planta aveloz no meu quintal, vendo mudas e cobro para coletar o leite para quem quiser, ou deixo a propria pessoa coletar de graça. cleudias@hotmail.com – 31-34864811

Responder
Avatar
Ricardo 24 de novembro de 2017 - 15:45

Cleunice você sabe me dizer, se alguém está fazendo o uso da planta, para combater a Esclerose Múltipla???

Responder
Avatar
Sandra Marcia Saraiva Pereira 23 de abril de 2013 - 21:51

Dr Rafael Cypriano, sou portadora da esclerose múltipla, há 13 anos, faço tratamento com o Rebif 44, aplico tres vezes por semana, até que estava bem, na sexta-feira retrazada, após ao almoço, fui dar uma descansadinha, após acordar percebi que meus movimentos da perna esquerda, estavam sem coordenação, como tinha retorno no médico de Marília em 16.04, aguardei, qdo cheguei ele fez a infusão com cortisona, durante três dias seguidos, meus movimentos não voltaram ao normal, ainda hoje me sinto manca da perna, fiquei sabendo dessa planta, lá mesmo no laboratório, por outros portadores que estão fazendo uso, essa planta, é mesmo milagreira? Gostaria de sua opinião.

Responder
Avatar
admin 23 de abril de 2013 - 23:32

Cara Sandra, lamento informar que o blog 50emais não tem contato com o Dr. Rafael Cypriano. Infelizmente, não sei como entrar em contato com ele. Espero que você consiga, esclareça a sua dúvida e se recupere logo. Grande abraço. Maya.

Responder
Avatar
Ricardo 24 de novembro de 2017 - 15:42

Alguém já tá usando dessa planta???

Responder