"Por caridade", ele já se tornou pai de 98 filhos

Por Maya Santana

Ed Houben com sua 98ª filha

Ed Houben carrega a pequena Madita, seu 98º filho


Este homem que tem a profissão de guia turístico, 44 anos, e vive na Holanda, próximo da fronteira com a Alemanha, já é pai de quase 100 crianças, muitas delas de mães solteiras. Apesar de admitir que está um pouco fora do peso, o holandês, alto, sem traços de beleza, continua sendo procurado e tudo é feito da maneira tradicional, ou seja, ele mantem relações com a mulher. Ed Houben já está sendo chamado de um dos homens mais viris da Europa.
Leia o artigo da BBC Brasil:
O holandês Ed Houben tem um passatempo diferente. Ele tem relações sexuais com dezenas de mulheres que o procuram por seus poderes lendários de inseminação, e não cobra nada por isso. Em uma casa de fazenda no noroeste da Alemanha, aquecida por forno à lenha, o holandês, grande e de óculos – ele admite que está um pouco acima do peso – se dirige ao segundo andar para o quarto do bebê. Houben vê sua filha pela primeira vez.
Com uma voz mansa, ele conversa com sua filha de seis semanas de idade, e a pequena Madita olha para ele. Ela é, segundo ele, sua 98ª criança. Houben, que trabalha como guia turístico, é um “doador de esperma por caridade”. Ele ajuda casais de lésbicas, mulheres solteiras, e casais heterossexuais com problemas de fertilidade a terem filhos sem nenhum custo.
Guia turístico, Ed tem 44 anos e vive na Holanda, perto da fronteira com a Alemanha

Guia turístico, Ed tem 44 anos e vive na Holanda


Em 2002, ele começou a doar esperma para um banco de sêmen. Mas sua carreira como doador foi interrompida quando a Holanda, como muitos outros países da Europa e o Canadá, proibiram doações anônimas de esperma, e ele passou a oferecer seus serviços de graça pela internet.
Ele agora faz doações da “maneira tradicional”. Usando o instrumento que Deus lhe deu em vez de uma seringa. “As chances de engravidar são maiores”, ele diz. “As pessoas provavelmente pensam ‘ah, ele está tendo relações sexuais sem responsabilidade’, mas eu sou, normalmente, o único com quem as pessoas podem falar caso não funcione”, ele explica. Sua motivação, segundo ele, é “a bela esperança de criar uma nova vida que será muito amada e bem cuidada.”
A mãe de Madita é Kati, enfermeira de 28 anos, que tem tatuagens do Ursinho Puff, do Tigrão e do Leitão no braço. “Eu sou solteira. Sempre quis ter um filho mas nunca encontrei o homem certo”, ela explica. “Então, depois de 6 anos eu comecei a procurar por alguém como o Ed.” Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





0 Comentários

ana maria 25 de março de 2014 - 12:59

é o que se pode chamar de filantropia sexual.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais