fbpx

Por que a dengue assusta os velhos em São Paulo

Por Maya Santana

Nove de cada 10 mortos pela dengue em São Paulo tinham mais de 60 anos

Nove de cada 10 mortos pela dengue em São Paulo tinham mais de 60 anos

Recebo email de uma amiga de São Paulo apavorada com a possibilidade de contrair dengue, principalmente porque está na faixa dos 70 anos. E os dados divulgados há pouco pelo ministério da Saúde mostram que 87% das 169 pessoas que morreram em SP este ano em conseqüência da doença tinham mais de 60 anos. Ou seja, as grandes vítimas da dengue, que continua a avançar, são os velhos.

A minha amiga faz parte dos 12% da população de São Paulo com idade acima dos 60 anos. E está alarmada porque, desde 2010, quando houve 141 mortes registradas, o estado não contava tantos mortos. SP também registrou recorde histórico de casos de dengue até agora, com 222 mil confirmações. Embora a minha amiga tenha saúde forte, tem medo de ser picada pelo pequeno e endiabrado mosquito Aëdes aegypti.

A dengue é uma doença difícil de lutar contra porque o seu combate eficaz depende da boa vontade das pessoas, dos moradores de cada casa, cada apartamento. Um único irresponsável que deixe água limpa parada, propícia para o surgimento do mosquito, pode prejudicar muita gente. Esta é uma história que para ter final feliz vai necessitar da conscientização e vigilância de todo mundo.

Veja aqui como fazer um repelente caseiro contra o mosquito da dengue:

Leia mais informações sobre a dengue no site do Dr. Dráuzio Varella, inclusive como identificar os sintomas da doença: “A primeira manifestação é a febre, geralmente alta (39° a 40°), de início abrupto, associada à dor de cabeça, prostração, dores musculares, nas juntas, atrás dos olhos e exantema (vermelhidão no corpo), que pode ser acompanhado de prurido.” Clique aqui.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

5 × 4 =