fbpx

Quer voltar ao mercado de trabalho depois dos 50?

Por Maya Santana

Mercado está em constante rotatividade e sempre aberto para novos profissionais

Mercado está em constante rotatividade e sempre aberto para novos profissionais

Para você que já passou dos 50 e está pensando em voltar a trabalhar, nesta entrevista publicada por O Globo uma especialista dá dicas valiosas para facilitar o seu retorno ao mercado.

Leia:

Nos dias de hoje, muita gente tem decidido voltar para a universidade ou cursá-la pela primeira vez depois dos 50 anos. Da mesma forma, há quem tenha resolvido voltar ao mercado de trabalho ou começar um nova carreira nessa faixa etária. Mas como se preparar para a recolocação no mundo profissional? Essa e outras perguntas são respondidas por Bruna Tokunaga Dias, gerente de orientação de carreira da Cia. de Talentos:

O quão é difícil para a pessoa depois de certa idade se recolocar no mercado?
Recolocar-se no mercado de trabalho nem sempre é uma tarefa simples, mas também não precisa ser um bicho de sete cabeças como muitos acreditam. É comum que quando passamos em muito tempo em uma mesma empresa, não nos mantenhamos atualizados como deveríamos e assim, quando recebemos a notícia de que seremos dispensados, de certa forma, recapitulamos todas as oportunidades que tivemos e não usufruímos como, por exemplo, realizar cursos.

De toda forma, o momento de se recolocar no mercado é excelente para se atualizar: corra atrás de cursos, MBAs, pós-graduações que você gostaria de ter feito, mas não teve tempo – é importante que estejam alinhadas com as oportunidades que você busca hoje. Aproveite também para atualizar seu currículo e ter mais contato com as pessoas de seu networking [rede de trabalho]. Neste período é bom ter em mente que estar disponível não é o fim mundo, mas sim uma oportunidade de reflexão e, quem sabe, de abraçar novos projetos.

Como o mercado lida com o retorno de colaboradores mais experientes?
O mercado de trabalho está em constante rotatividade e sempre aberto a entrada de novos colaboradores. Há espaço para todos, inclusive para os mais experientes. De uma forma geral, uma longa e bem aproveitada experiência profissional pode agregar bastante à empresa e também um ao outro. Estamos pela primeira vez com quatro gerações diferentes – Y, X, Baby Boomers e Veteranos – trabalhando nas empresas e é importante saber aproveitar os benefícios que cada geração tem a oferecer e promover a troca entre todos.

A experiência de vida conta pontos na hora da seleção para uma vaga?
Já dizia Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena se alma não é pequena”, ou seja, a experiência de vida sempre conta pontos. Afinal, tudo que aprendemos, se soubemos aproveitar, e quando realmente faz sentido para nós, pode ser utilizado em qualquer área de nossa vida.

O quanto temos de experiência e amadurecimento ao longo da carreira irá contar bastante em um momento “entre empregos”, pois nos ajudará a refletir sobre as metas e objetivos que traçamos para nós e este é o período de mesurar qual caminho seguir.

Quais as suas dicas para quem vai iniciar uma nova profissão depois dos 50 anos? Quando pensamos em recolocação no mercado, alguns aconselhamentos se aplicam a todas as idades, afinal é durante este período que refletimos bastante. Inicie atualizando-se sobre mercado de trabalho. O que está acontecendo? O que você precisa fazer para se readaptar? Para isso, leia bastante e claro, procure seu networking, afinal, pessoas que estão dentro do mercado de trabalho poderão passar melhores visões do que está acontecendo.

Realize cursos e especializações. Isso irá ajudar muito a atualizar seu currículo e também a tomar decisões mais assertivas sobre novos caminhos a dar para sua carreira. Para pessoas mais experientes, vale aproveitar este vasto background e encontrar coisas que goste ou se sinta bem fazendo. Exemplo, uma pessoa que possui uma vasta experiência e tato para finanças, pode aproveitar a facilidade com números e optar por lecionar ou, até mesmo, com ajuda de seu networking tornar-se um consultor especializado. O interessante aqui é não se deixar abater por percalços da vida e sim tirar proveito da sua capacidade de readaptação.

E na hora da entrevista de emprego: quais devem ser as preocupações do candidato?
Um candidato que está há algum tempo fora do mercado não deve se sentir intimidado ou exposto por isso. Se o recrutador analisou o currículo e o chamou para a entrevista, tem interesse em conhecê-lo e o que importa é a experiência anterior. Com certeza, deve estar preparado para responder sobre o que fez durante este período e os motivos de saída dos trabalhos anteriores, sem ficar na defensiva, e explicar sobre este período caso seja perguntado. Caso o entrevistador não pergunte, o candidato pode ficar à vontade para falar ou não e, caso queria falar sobre este período, não deve ter um tom de justificativa e sim de esclarecimento.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

três × 2 =

3 Comentários

Avatar
René Macedo Pinto 17 de outubro de 2015 - 10:02

Penso, logo existo. René Descartes, está certo! Não há barreiras, apenas pensamentos trabalhando contra você, sempre há alternativa. Eu trabalhava com manutenção de veículos, quando cheguei nos 46 minha coluna estava um “caco”. Estudei, prestei um concurso e passei com ótima colocação, mas no exame médico fui reprovado
(lesão na coluna). E não desisti, fui para cozinha fazer bolos e hoje estou feliz e independente, hoje tenho meus 50 anos com muito orgulho e trabalhando muito. Se uma porta não abrir tente outra.Tenha fé!

Responder
Avatar
Claudia Machado 21 de fevereiro de 2015 - 22:26

Gostei muito das explicações, mas gostaria de saber se sabem de cursos on.line , e também alguns questionário sobre novas profissões, aguardo obrigado.

Responder
Avatar
manuel domingos 14 de novembro de 2014 - 13:27

Estou nessa faixa etária e estou desempregado. Muito me aflige o tempo que perdi na empresa que trabalhava e não me dava oportunidades e as oportunidades desperdiçadas. Estou procurando me aprimorar, estudando pela internet e me atualizando na minha área, que é a construção civil mas ainda não consegui voltar ao mercado de trabalho. é frustante.

Responder