Quero olhar de perto o que é essencial, me abrir para que um novo ciclo possa nascer

Por Maya Santana

Marlene Damico Lamarco é pedagoga, trabalhou como executiva por 25 anos e na busca pela cura de um estresse motivado por excesso de trabalho, encontrou no caminho espiritual uma nova maneira de viver. Deixou a área corporativa e por 16 anos se dedicou a expandir e a compartilhar suas descobertas à frente de uma ONG ligada ao autoconhecimento

Marlene Damico Lamarco
50emais

Quero um ano sabático! Um tempo, que não seja feito só de sábados, mas de segundas e domingos, de horas e horas para fazer nada e, paradoxalmente, fazer tudo. Quero um tempo para mim, que eu possa viver intensamente como uma religião… no sentido esotérico do termo.

“Reverência e acatamento às coisas sagradas, busca de transcendência da condição humana e de união com a essência da vida, retomada dos vínculos com sua origem cósmica, da harmonia com leis que estão além da sua concepção pessoal e individual. A religião, assim compreendida, é o que desperta para o significado da existência terrena. As religiões têm como finalidade primordial proporcionar às massas o conhecimento das leis evolutivas, até que cada indivíduo encontre a verdade dentro de si e, a partir daí, prescinda de sistemas externos”.*

Quero um templo calmo e acolhedor, dentro de mim, e tomar posse desse lugar sagrado, para rezar sem medo e sem receios de pedir demais… Quero a festa, o riso e a liberdade de ser quem sou. Olhar para meus limites e erros como coisas naturais do aprendizado e com muita gratidão, pois só quem está vivo tem essa chance… fazer de novo, acertar o ponto, jogar o jogo!

Conheci caminhos e pessoas diferentes, ouvi e contei muitas histórias. A vida me proporcionou uma riqueza muito grande ao me aproximar de tantas pessoas que abriram o coração e partilharam comigo a sua busca, os seus medos, os descaminhos, as dores e as curas.

Busquei a própria verdade com devoção, confrontei ideias inverossímeis e viajei por lugares ocultos e concretos. Agora me bate uma vontade de abrir espaços… um hiato no corre-corre deste mundo veloz demais, onde possa me reconhecer e me expressar. A forma não conta, quero a essência.

Leia também:Após perder o marido, Andrea Navarro, 85, reinventou-se, transformando-se em atriz

Quero sentir o gosto de ser quem sou, de me olhar por dentro e de me olhar por fora. Por dentro, rolar feito criança e captar a magia perdida de ser feliz sem explicar porquê… Por fora, sentir a liberdade de ousar novos voos, regidos por novos parâmetros, com força capaz de quebrar amarras e criar infinitas possibilidades. Conhecer gente nova, renovar gente velha, fazer coisas banais como se fossem sagradas e criar ritos e rotas de fuga, saídas de emergência.

Ter muitos anos de vida é um privilégio!… Por décadas estive presente em muitos movimentos e ausente do próprio movimento. Segui o script, errei na cena, acertei na fala, tropecei no ato. Depois da dor e da alegria de ser eu mesma, corrigi o texto.

Agora o tempo me alforriou e eu quero olhar de perto o que é essencial para, sem pressa nenhuma, expressar o fechamento de ciclos em minha vida, tanto pessoal quanto profissional, e me abrir para que um novo ciclo possa nascer.

Quero tomar posse do “agora” e penetrar na riqueza e na inspiração da pausa, do vazio, do silêncio e do desconhecido. Gerar no útero da vida madura um novo ciclo… parir de novo, um novo ser: eu mesma. Sob minha direção!

Leia também: ‘Passei dos 62. Quero viver bem, desafiando o calendário, pandemia, viuvez e solidão’

Modelos maduras ganham o mercado e são cada vez mais disputadas pelas agências


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais