fbpx

Sem assistência médica, Santa Luzia pede socorro

Por Maya Santana

Hospital de São João de Deus: todo aparelhado e fechado

Hospital de São João de Deus: todo aparelhado e fechado

Maya Santana

Acabo de chegar da minha cidade – Santa Luzia, em Minas, localizada a 20 km de Belo Horizonte. Uma vez mais, voltei desalentada e profundamente preocupada – tenho família, muitos amigos e conhecidos lá – com a situação crítica da saúde no município: apesar de ter mais de 200 mil habitantes, lá ninguém pode adoecer ou se acidentar, porque o Hospital de São João de Deus, único com leitos para atender pacientes do SUS em toda a região, não teve o contrato renovado pela Prefeitura. Com isso, as verbas federais deixaram de ser repassadas pela Prefeitura ao hospital, o que já levou ao fechamento do Pronto Atendimento e da maternidade – na prática, fechou o hospital. Há meses, não nasce uma única criança em Santa Luzia. Na hora do parto, as grávidas são levadas para algum hospital de BH.

A situação, se agravando a cada dia, é consequência de um antigo desentendimento, do qual já falei aqui. De um lado, está o prefeito Carlos Calixto(PSB), 69; do outro, moradores inconformados com a adoção de uma política mesquinha, cuja principal vítima é a saúde da população. A luta dos moradores tem se revelado em vão, já que a Prefeitura, amparada na subserviência da Câmara Municipal e num jornal colorido pago para falar bobagens, faz o que bem entende, absolutamente indiferente ao sofrimento de tanta gente, principalmente dos mais velhos. Quem precisa de atendimento médico é obrigado a viajar 10 km até a UPA – Unidade de Pronto Atendimento – do bairro de São Benedito, onde tudo é precário.

Agora, recebo a notícia que o Ministério Público de Minas resolveu entrar na briga em favor dos moradores de Santa Luzia, enviando, inclusive, notificação ao prefeito e ao procurador geral do município, Vinicius Marins. Os dois estão sendo advertidos “de sua grave responsabilidade administrativa, civil e criminal pelas mortes ou sequelas de pacientes do SUS no seu território, que não tiverem a efetiva garantia de um leito hospitalar nas situações de urgência e emergência.”

O prefeito Carlos Calixto (PSB), 69: na contra-mão dos anseios da população

O prefeito Carlos Calixto (PSB), 69: na contra-mão dos anseios da população Foto: Tribuna Luziense

E o MP fez mais: encaminhou ofício ao Conselho Regional de Medicina solicitando “com urgência” fiscalização da UPA de São Benedito, porque há “fundadas notícias” de que estaria funcionando em completa violação das normas exigidas, principalmente no que se refere “à falta dos equipamentos próprios para os serviços de urgência e emergência”, e também fazendo ‘internações’ por prazo indeterminado, sem diagnóstico definido, “colocando em risco a saúde dos usuários.”

Neste ofício, o MP afirma que “a situação é gravíssima” e pede que, durante a fiscalização, seja feito levantamento do número de mortes registradas de pacientes lá ‘internados’ por mais de 24 horas, sem acesso aos serviços de urgência e emergência.”

A própria Secretaria Estadual de Saúde, historia o documento, chegou a intervir, no início do ano, para tentar romper o impasse, criando um Comitê Gestor de Crise. Foram realizadas várias reuniões do Comitê com os representantes da Prefeitura. Mas nada avançou, porque a Prefeitura se recusou a continuar participando.

Um dos protestos feitos na cidade pedindo melhores condições de saúde

Um dos protestos feitos na cidade pedindo melhores condições de saúde

Um terceiro oficio foi encaminhado pelo MP, desta vez para ao Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) solicitando análise dos gastos feitos com as verbas da saúde destinadas a Santa Luzia.

Serão estas iniciativas a luz que os luzienses procuram no fim do túnel? Será este o fim de um drama que se arrasta há tanto tempo e vem custando tão caro à população da cidade? Toda a esperança de devolver aos luzienses o seu direito à assistência médica se volta para o Ministério Público, voz importante que se levanta contra este descalabro.

Diante de tanto sofrimento imposto aos moradores da cidade, se eu pudesse fazer apenas uma pergunta à Prefeitura, gostaria de saber: Quem é que está sendo beneficiado com essa situação?

Qualquer cidadão ou cidadã pode ler a íntegra e pedir cópia da notificação e dos ofícios do Ministério Público na secretaria do MP, localizado no bairro Novo Centro, ao lado do fórum.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





2 Comentários

Lisa Santana 21 de maio de 2015 - 20:03

Maya, o povo que não é, claro! Aliás, nunca, não é? Isto é mais que triste é revoltante. E a população, tem feito o quê? Fácil não é, mas sem medidas populares fica difícil.

Responder
Antonio f reis 17 de maio de 2015 - 13:17

Esta passando da hora de uma providencia mais severas sobre estes incompetentes …e ladroes ..

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais