Sir Lewis é danado!

Por Ingo Ostrovsky

Sir Lewis Carl Davidson Hamilton está com 36 anos e ano passado recebeu o título de cavaleiro da Ordem do Império Britânico, uma honraria concedida pessoalmente pela rainha Elizabeth II. Desde então ele passou a ser chamado de “Sir”

Ingo Ostrovsky, 50emais

Ponha-se no meu lugar: como é que eu vou fazer para não escrever sobre a pane das redes sociais que quase paralisou o mundo na semana que passou? Nem a final da Copa do Mundo consegue mexer com a vida de 3 bilhões de pessoas ao mesmo tempo. O desafio é enorme para quem – como eu – tem a pretensão de querer fugir da dura realidade do nosso noticiário. Você já deve ter lido bastante sobre o que aconteceu – e o que deixou de acontecer – nas 6 horas em que as principais ferramentas de comunicação instantânea ficaram ‘fora do ar’. Posso te prender aqui por longos minutos sem nada de novo a acrescentar.

Vou tentar mudar de assunto: domingo passado, o escritor e roteirista Antonio Prata lembrou na Folha de S.Paulo uma crônica de Rubem Braga, escrita em 1946, em que o mestre capixaba celebrava uma notícia daquela semana mas dedicava a maior parte do texto a narrar, com primor, o nascimento de um pé de milho…

Escolho o Lewis Hamilton para ser meu pé de milho nesta modesta crônica. Ele é um herói de domingo, percebe? Uns domingos atrás ele comemorou 100 vitórias na Fórmula Um, cem vezes em que ele teve um fim de semana prá lá de feliz. Hamilton foi o primeiro piloto a atingir essa marca. Ele já correu 282 GPs e subiu ao pódio 176 vezes.

Sir Lewis Carl Davidson Hamilton está com 36 anos e ano passado recebeu o título de cavaleiro da Ordem do Império Britânico, uma honraria concedida pessoalmente pela rainha Elizabeth II. Desde então ele passou a ser chamado de “Sir”, seguindo o protocolo internacional dessa honraria. Ele nunca esqueceu que na escola, quando era criança, tinha poucos colegas com a mesma cor de pele; quase nenhum. Hamilton, como outros esportistas que ganham muito dinheiro, resolveu dividir parte do que fatura para diminuir o fosso que separa os “bem” dos “mal” aquinhoados pela fortuna e pelas oportunidades. Alguns jogadores de futebol, muitos deles brasileiros, montam e sustentam escolinhas para crianças de baixa renda, oferecem refeições a quem tem pouca comida em casa e uma esperança de ser descoberto para, quem sabe, um dia marcar um gol de placa na vida.

Sir Lewis fez diferente. Decidiu investir em educação. Criou uma instituição, a Mission 44 (número de seu carro nas pistas) e descobriu que entre os 500 mil professores do Reino Unido apenas 2% são negros e só uma pequena minoria destes dá aulas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática. Hamilton vai financiar a formação de 150 professores negros para lecionar essas disciplinas para que mais alunos negros se interessem por carreiras ligadas a esse conhecimento.

Hamilton sabe do que está falando. Já faz um tempo que ele batalha para aumentar o número de negros no seu esporte, que, aliás, é dos mais avançados em termos de tecnologia. São centenas de engenheiros e mecânicos altamente especializados trabalhando nas corridas e também nas fábricas responsáveis por colocar na pista os carros mais velozes do mundo. A Fórmula Um só vai seguir evoluindo se fôr mais inclusiva. Hamilton é apenas a pontinha desse imenso iceberg de talento escondido embaixo de um oceano de preconceito e falta de conhecimento.

É projeto para os próximos dois anos. Ninguém hoje sabe se Sir Lewis ainda estará pilotando em 2023, mas seu legado, olha que legal, poderá durar muito tempo.

Clique aqui para ler outras Crõnicas de Domingo, de Ingo Ostrovsky


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais