Skate e Casa de Mãe Joana

Por Ingo Ostrovsky

“Como muitos brasileiros fiquei felicíssimo com a medalha de prata da nossa skatista-fada, a jovem maranhense Rayssa Leal”

Ingo Ostrovsky,50emais

A recente mexida no ministério do presidente do Brasil mereceu de um deputado um comentário que, confesso, eu tive uma certa dificuldade de entender. Ele disse que o governo está parecido com a “casa da mãe Joana”.

Você conhece a mãe Joana? Sabe como é a casa dela?

Fui pesquisar.

O que descobri não é muito abonador para o atual ocupante da nossa presidência. Casa da mãe Joana é o lugar onde “vale tudo; (lugar) sem ordem; onde predomina a confusão, a balbúrdia e a desorganização”. Segundo as fontes da Wikipedia, a origem da expressão é mais desabonadora ainda. Dona Joana Primeira foi rainha de Nápoles e condessa de Provença, viveu na Idade Média, entre 1326 e 1382. Foi ela quem estipulou os estatutos e as regras de funcionamento dos bordéis de Avignon para onde foi exilada pela Igreja devido a seu comportamento desregrado e permissivo.

Naquela época ficou estabelecido que os bordeis teriam que ter “uma porta de entrada e saída para todos”. Ninguém entrava ou saía pela porta dos fundos, as coisas eram feitas às claras. Os administradores tinham a obrigação de assegurar que as mancebas não se misturassem com as senhoras de bem, as casadas e mães de família.

Em palavras mais simples: o deputado acredita que o Palácio do Planalto está funcionando como uma casa de tolerância. Isso quer dizer que com alguns trocados pode se comprar prazer – no caso, prazer político – daquele lado da Praça dos Três Poderes. O comentário do deputado foi feito a propósito da troca de comando na Casa Civil, que, portanto, mudaria de nome e passaria a se chamar Casa Civil da Mãe Joana. A diferença fundamental é que hoje são muitas as entradas e saídas, há elevadores privativos, sociais e de serviço. Dá para ir à casa da mãe Joana sem ser visto, sigilo absoluto, privacidade garantida. Coisa inimaginável na Idade Média.

Não foi meu único espanto na semana.

Como muitos brasileiros fiquei felicíssimo com a medalha de prata da nossa skatista-fada, a jovem maranhense Rayssa Leal. Não vou repetir aqui todos os adjetivos usados pela crônica esportiva para descrever o feito da garota. Concordo com a maioria deles. Minha surpresa foi outra: na transmissão das provas de skate feminino aprendi uma palavra nova. Quando a competidora alemã escorregou naquele maldito corrimão e caiu no chão de pernas abertas a comentarista da TV não teve dúvidas:

“Xerecou ” sapecou ela.

Como é que é?

Xerecou! Caiu de xereca no cimento japonês. Fiquei sabendo que a direção da TV chamou a atenção da moça, que estaria sendo “informal” demais. Mas ela entende de skate, é bem articulada e fez o possível para não repetir mais a palavra. Eu aqui fiquei com a impressão de que a comentarista não cometeu qualquer deslize. Apenas usou no ar uma expressão que as skatistas provavelmente usam no dia-a-dia, sempre que um acidente semelhante acontece. Xerecar deve ser uma palavra corrente no skatismo e vai ser repetida agora que o esporte começa a se popularizar.

Na escola de samba os destaques do desfile criaram o tapa-sexo. Certamente as meninas do skate vão inventar algo parecido para se proteger.

Leia também de Ingo Ostrovsky:

Vou cantar-te nos meus versos

Novo Normal?

Inverno Carioca

Queimados

Surreal

Sofisticação da morte

O que dizer?

A Cara do Brasil

Big Brother Brasília

Pernas Curtas

Semana Intensa

Cadê os brasileiros que prestam?

Falta Bom Censo

O tédio nosso de cada dia

Procuremos uma borboleta

Medo

Ingo Ostrovsky: A falta que faz ouvir o outro

A matança das abelhas

Não dá para ignorar

Um caso de amor em plena pandemia

Uma estátua para Napoleão?

Três tons de cinza

O futebol gosta das mulheres?

Se ela fosse homem, seria dentisto? E ele? Deveria ser economisto?

Procrastinador: Não deixe para amanhã o que você pode faze dep


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

Ana Helena Nogueira Ribeiro Gomes 1 de agosto de 2021 - 13:14

Não passo mais os domingos sem a sua palavra, Ingo! Imprescindível.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais