fbpx

Sou mais um dos brasileiros que chegaram aos 50 sem estar com “a vida ganha”

Por Maya Santana

Tuca Stangarlin, 55, precisou se reinventar depois dos 50. Hoje, é modelo bem sucedido

Um depoimento muito bom do artista plástico e agora modelo Tuca Stangarlin, 55, que há dois anos, portanto bem antes da pandemia, se viu naquela encruzilhada profissional. Fez uma escolha e acertou: foi ser modelo. Nesse resumo do depoimento que ele publicou no Facebook, Tuca, um homem realmente muito bonito, conta as dificuldades que enfrentou na nova profissão, pois achava que era um trabalho simples. E não é. Através de disciplina e dedicação, conseguiu vencer “os medos” e os outros obstáculos. “Pude me reinventar. Não foi fácil, mas foi e está sendo muito prazeroso,” conta ele.

Leia:

Espero que eu possa contribuir um pouco com a minha história de reinvenção. Sou o Tuca Stangarlin, tenho 55 anos, sou natural de São Gabriel (RS) e moro em Florianópolis há uns 13 anos. Sou artista plástico por formação acadêmica, designer de bijouterias e, por necessidade financeira, comecei a trabalhar como modelo aos 53 anos.

Sim, eu sou mais um dos brasileiros que chegou aos 50 sem estar com “a vida ganha”, viver da arte é muito difícil e tive que buscar alternativas, primeiro com as bijouterias e depois com o trabalho de modelo; hoje levo estes 3 trabalhos paralelamente.

Vida de modelo

Ele e um bom exemplo de alguém que foi capaz de mudar a vida completamente depois dos 50

Tive um passado atuante com arte contemporânea, me trouxe plenitude e uma visão ampla do mundo, mas o que quero trazer aqui é o presente: quem eu sou hoje? Posso me descrever assim na minha incursão na vida de modelo: eu não sabia nada! Era tudo o que eu nunca tinha imaginado para a minha vida, sempre adorei fotografia, mas sempre me interessei pelo outro lado da câmera.

Leia também: Demitida durante a pandemia, ela deu a volta por cima, transformando crochê em arte

Ao resolver me quebrar ao meio, aos 53 anos, e partir para novos rumos, caí num imenso abismo: eu não sabia nada! Eu não sabia posar e muito menos atuar, e para ter algum êxito na nova profissão eu teria que encarar isso de frente.

Pude me reinventar

Foi uma das melhores coisas da minha vida. Pude me reinventar e passar por cima de vários medos, não foi fácil, mas foi e está sendo muito prazeroso. Continuo não sabendo nadar, mas estou solto em pleno oceano, aprendendo.

(Para quem quiser conhecer mais dos meus trabalhos, pode conferir as minhas páginas do Facebook: Tuca Stangarlin Bijouterias e Tuca Stangarlin artista plástico. No meu Instagram @tucastangarlin trago as minhas pinturas e os trabalhos como modelo).

Leia também:Setsuko Saito: aos 68 anos, o convite para ser modelo chegou de forma inesperadachegou

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais