fbpx

SP ganha prédio para abrigar artistas acima dos 60

Por Maya Santana

É o primeiro dos vários prédios restaurados pela prefeitura para moradia popular de idosos

É o primeiro dos vários prédios sendo restaurados para moradia de idosos

São apenas 50 unidades destinadas a músicos, cantores, atores e diretores de teatro, gente que envelheceu tem ter conseguido muitos meios para se sustentar na velhice. Mas é o primeiro de vários prédios que a Prefeitura de São Paulo, está restaurando no centro da cidade para abrigar idosos. Num país que envelhece rapidamente e com tantos velhos necessitando de amparo, está é uma iniciativa mais que louvável.

Leia o artigo:

Vender 500 mil discos pode render algumas capas de revistas e assédio dos fãs, mas vale lembrar que glamour nem sempre paga contas – nem mesmo o aluguel. Após fazer sucesso entre as décadas de 70 e 80, o cantor Raimundo José volta a sorrir. O motivo não é a música, mas a inauguração do Palacete dos Artistas, um prédio no centro de São Paulo (SP) que foi reformado para ser a casa de 50 artistas com mais de 60 anos, – entre eles, Raimundo.

Localizado na Avenida São João, a poucos metros do cruzamento com a Avenida Ipiranga, o prédio, construído em 1910, era o antigo Hotel Cineasta e estava há anos abandonado. Após um investimento, por parte da Prefeitura, de R$ 8,2 milhões – sendo R$ 4,2 milhões gastos apenas com a desapropriação do edifício – e dois anos de reforma, os apartamentos de 40 metros quadrados estão prontos para serem habitados. Os moradores são músicos, cantores, atores e diretores de teatro com mais de 60 anos, renda de até três salários mínimos e que estejam ligados a entidades como o Sindicato dos Artistas e o Movimento de Moradia dos Artistas e Técnicos.

Leia também:
Surge o primeiro condomínio construído para idosos

A Prefeitura possui outros três prédios no centro da cidade, um deles já em reforma, e outros 31 edifícios que estão em processo de desapropriação.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

16 + dois =

2 Comentários

Avatar
Lisa Santana 25 de abril de 2015 - 00:28

Concordo em gênero, número e grau com você, Déa.

Responder
Avatar
Déa Januzzi 24 de abril de 2015 - 11:38

Belo Horizonte podia copiar a ideia e incluir jornalistas, vocês não acham?

Responder