fbpx

Tania Celidonio: “A doença mental esteve presente durante toda a minha infância”

Por Maya Santana

Marina, mãe de Tãnia, com a neta Mariana, em fotografia de 1974

Este texto foi escrito pela jornalista e escritora Tania Celidonio a propósito de Ela, Eles e Todos Nós, um livro no qual ela entremeia escritos de sua mãe, Marina, falecida em 2006, e outros que ela mesma produziu. O livro trata de um tema delicado, doença mental. Tânia conta que era ainda muito jovem quando a mãe teve as primeiras crises, sucumbindo à doença, que acometeu vários outros integrantes da família. “A doença mental esteve presente durante toda a minha infância, mas minha mãe afastou do nosso dia a dia, meu e de minha irmã, a dura realidade das internações em seu núcleo familiar,” escreve ela sobre o livro, uma espécie de tributo à mãe que ela admirava tanto.

Leia:

Minha família materna sofreu um bocado. É como se alguma bruxa má amaldiçoasse vários personagens de um conto de fadas. Um feitiço que mexeu com a cabeça de todos eles. Ninguém passou fome, muito pelo contrário. Mas a improvável maldição impediu que bisavós, avós, tios e pais cumprissem, com alguma felicidade, suas respectivas jornadas em nosso planeta. Alguns partiram sem entender o que vieram fazer por aqui. Outros começaram perseguindo sonhos e tropeçaram em seus próprios delírios. Não seguiram adiante. Sucumbiram.

A doença mental esteve presente durante toda a minha infância, mas minha mãe afastou do nosso dia a dia, meu e de minha irmã, a dura realidade das internações em seu núcleo familiar. Sabíamos que alguma coisa estava fora da ordem, mas o peso de toda a responsabilidade era carregado por ela, a irmã mais velha.

Depois, na vida adulta, ainda muito jovem, vi minha mãe ter sua primeira crise. Ou o que nós, parentes mais próximos, julgamos que fosse um primeiro surto. Inteligente, culta e antenada em tudo o que aparecia na literatura dos transtornos mentais, driblou amigos e terapeuta. Achou que estava craque na arte da dissimulação. Eufórica, quase não dormia e falava sem parar. Mas houve um momento em que jogou a toalha. Ficou impossível suportar a velocidade e o horror dos pensamentos. Não foi internada – prometemos que não seria –, intensificou a terapia e foi medicada. Mudou o olhar, que adquiriu um aspecto mareado. Presumo que o motivo sejam as batalhas travadas contra o dragão que a ameaçava.

Tania Celidonio é uma das autoras do livro Ela, Eles e Todos Nós. Marina, co-autora, era a mãe dela e inspiração para o livro

Eu não sabia, mas foi nessa época que ela começou a escrever seus primeiros textos sobre a loucura familiar. Manuscritos que depois ela digitou e tentou publicar. Memórias e lembranças de um tempo anterior ao dela. Sensações de filha pequena carente do afeto da mãe. E o que dizer da própria mãe, minha avó, que foi embarcada antes de largar a mamadeira para um colégio de freiras distante centenas de quilômetros da casa onde nasceu?

O tempo avançou lentamente nas lembranças de mamãe
A primeira lauda foi escrita em meados dos anos 1970 e a última no final dos anos 1980. Foi um período de perdas, crises, separações e muita culpa. Mas ela não parou de escrever e nem de tentar publicar. Imagino que tenha desistido de verdade ali pelo início dos anos 1990. Organizou e guardou os papéis em alguma gaveta, e não tocou mais no assunto. Pelo menos não comigo. Morreu em 2006, pouco antes de completar 75 anos.

Alguns dias depois do enterro, minha irmã e eu fomos desmanchar o apartamento onde ela morou durante muitos anos. Separamos álbuns de fotografias, livros e objetos pessoais. Abrimos gavetas e caixas. Em uma dessas gavetas repousavam seus textos, envoltos por um plástico transparente. Dentro, um calhamaço de laudas datilografadas e marcadas pelo tempo, com algumas folhas manuscritas. Coloquei tudo na mala, voltei para casa, li algumas laudas e engasguei muito. Demorei alguns anos para começar a digitalizar, ler, reler e reescrever as memórias e lembranças que se transformaram no livro “Ela, Eles E Todos Nós”.

O livro é uma viagem por mares revoltos. Dela emergiram histórias de seres humanos não adaptados à vida que costumamos definir como normal. Uma tentativa de enfrentar os abismos que interrompem trajetórias que pareciam destinadas ao sucesso e à felicidade.

“Enquanto despejei minha raiva no outro, acho que me preservei. Mas haveria de chegar um momento, creio, em que a verdadeira luta seria eu contra mim mesma. Foi então que me ajudaram. E em vez de apenas me preservar, acabei me salvando”. Palavras de minha mãe. Minha herança, minha vida.

O Livro
Ela, Eles e Todos Nós
Tania Camargo Celidonio e Marina Camargo Celidonio
Capa e ilustrações – Vanja Freitas
122 páginas
Sem editora
À venda:
Com a autora (livro impresso): 35 reais mais o custo do envio (R$ 7,00).
Pedidos pelo e-mail tania.celidonio@gmail.com ou pelo whatsapp: (21) 98143-9979
Na Amazon (no formato e-book): R$ 25

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

onze − seis =