fbpx

Tempos Depois

Por Maya Santana

Ainda não é meia-noite e já estou perdendo o meu encanto

Ainda não é meia-noite e já estou perdendo o meu encanto

Lisa Santana

Me olho no espelho
E não vejo quem desejo
Estou a me desmanchar.
Não são os mesmos
O contorno dos meus olhos
Da minha boca
Dos meus braços
Dos meus seios
Do meu corpo
Me horrorizo.
Meu grito mudo
Estilhaça o espelho
Em mil pedaços
Quase desesperada
Penso
Ainda não é meia-noite
E já estou perdendo meu encanto?
Quero parar o tempo.
Recuperar o meu rosto
O meu corpo de ontem
Tento me inventar outra
E me vejo a praguejar
Tempo infinito
Tempo Maldito
Porque insiste em
Me fazer passar?
Porque passo pela dor de mudar?
Respiro
Aos poucos me serenizo.
E o trem para em outra estação
Que não é exatamente a do Verão
Mas que me faz concluir
Que o que senti há pouco
É quase uma bobagem
Como posso impedir o tempo
De caminhar?
Se eternizo o meu corpo
Perco o lugar onde guardar
As histórias que tenho pra contar.
E são elas
Minhas riquezas
Meu ouro
Concluo
Entre chateada e encantada
Que é da lei
Da vida
Do tempo
Tudo estar em movimento.
E que tudo é circular.
Se eles levam parte de mim agora
Paciência
Num outro tempo
De outra forma
Talvez em outro lugar
O Cosmo dará um jeito
E de novo
E inteira
Eu volto a brotar.

Lisa Santana, autora do livro de poesias “Os Peixes do Meu Pano de Prato”, é Professora de Artes Cênicas na PUC de Minas.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

dezesseis − sete =

3 Comentários

Avatar
Déa Januzzi 22 de abril de 2015 - 20:16

Linda, Lisa, seus versos me encantam. Parabéns

Responder
Avatar
Anna maria silva garcia 22 de abril de 2015 - 15:33

maravilhosa !!!!!!!!

Responder
Avatar
Antonio f reis 22 de abril de 2015 - 10:03

Sempre lisa, amo as suas poesias , ……….

Responder