fbpx

Um fenômeno musical chamado Marília Mendonça

Por Maya Santana

Os vídeos da cantora Marília Mendonça, 22, têm mais de 4 bilhões de visualizações no Youtube

Maya Santana, 50emais

Como o próprio nome 50emais deixa claro, os assuntos postados aqui são sempre destinados a pessoas que já passaram dos 50 anos. Trato, normalmente, do mundo da maturidade. Hoje, abro exceção para falar de uma moça de apenas 22 anos, de quem eu nunca havia ouvido falar até esta manhã. Ela é nada mais nada menos do que a artista mais popular do Brasil: a cantora paulista de músicas tristes Marília Mendonça, apelidada de “rainha da sofrência”, cujo faturamento mensal é calculado em 10 milhões de reais. Com apenas três anos na estrada, a jovem artista já tem avião particular, faz mais de 20 apresentações por mês e ganha cerca de 300 mil reais por show. Para dar mais uma ideia do fenômeno que é essa menina, seus vídeos no Youtube foram vistos 4,7 bilhões de vezes. Isso mesmo:bilhões.

Leia a reportagem de Victor Calcagno, para a revista Época:

Passavam das 23 horas em Votorantim, interior de São Paulo, quando a artista musical mais ouvida do país chegou ao ponto alto de seu show. Em frente a 10 mil pessoas, as luzes do palco apagaram, um globo espelhado foi posicionado e um piano de cauda começou a ressoar os primeiros acordes em tom de tristeza. A toada lenta e o ambiente sombrio ganharam vida quando uma voz forte e grave rompeu a pausa projetada pelo instrumento: “Exagerado, sim”, disse o primeiro verso, enquanto centenas de luzes refletidas pela esfera de vidro iluminaram a estrela da apresentação. A canção seguiu num crescendo ritmado até que explodiu no refrão, quando todas as desilusões amorosas do público pareceram se unir em uma só voz: Não finja que eu não tô falando com você/Eu tô parado no meio da rua/Eu tô entrando no meio dos carros/Sem você a vida não continua, gritou a cantora. Se ao fim da música a sertaneja Marília Mendonça precipitou centenas ao choro e a lembranças irracionais de ex-parceiros, é porque entregou o que pagaram para ouvir e fez jus ao epíteto que ganhou após o sucesso: Rainha da Sofrência.

Este vídeo foi visto mais de 144 milhões vezes no Youtube:

Depois de “De quem é a culpa?”, a cantora tentou levantar o ânimo do público. “Ninguém aguenta tanta sofrência!”, brincou ela, após entoar covers de Anitta e Pabllo Vittar. O estrago, no entanto, já havia sido feito. Muito antes dos acordes de piano no fim da apresentação, o público foi exposto a dezenas de situações musicadas em que histórias de traição, saudade e términos conturbados ditam as composições que lhe renderam 4,7 bilhões de visualizações no YouTube, maior marca do país. Com apenas 22 anos e menos de três de carreira como cantora, ninguém naquela noite de junho queria ouvir algo diferente das lamentações de Marília Mendonça, ainda que ela ameaçasse, algumas vezes, parar de “fazer a plateia sofrer”. “NÃO!”, respondia a legião com um grito único, expressando um incauto desejo pelo sofrimento.

Por mais que a cantora houvesse imposto três regras ao começo da apresentação — “não pode chorar, não pode vomitar e não pode ligar para o ex” —, não é de estranhar que, a cada sucesso, todas elas tenham sido infringidas dezenas de vezes, talvez simultaneamente, por uma série de motivos pessoais e algum exagero alcoólico. Além do show em Votorantim, as outras apresentações acompanhadas por ÉPOCA no Rio de Janeiro e em Volta Redonda, interior fluminense, seguem a mesma receita de sucesso, que rende quantias em torno dos R$ 300 mil por noite, fora os gastos com transporte e alimentação, geralmente bancados pela produção do evento.

Marília Dias Mendonça é uma jovem adulta de cabelos louros, bochechas salientes, sorriso largo e voz grave. Quando apareceu para a entrevista em uma saleta de hotel, já preparada para se apresentar dali a pouco no interior paulista, de blusa, calças, sapatilhas e tailleur pretos, a falta de pompa ao tratar os membros da equipe e a seriedade do visual remetiam a uma cantora ainda indecisa sobre a imagem que quer ter — se “brincalhona”, como sugerem suas contas nas redes sociais, ou “madura e vivida”, como apontam suas composições. Cercada de assessores e membros da produção, a primeira coisa que se percebe é que a reeducação alimentar seguida pela cantora, que a fez perder cerca de 15 quilos e rendeu críticas de fãs, de fato deu resultado.

Este vídeo já teve mais de 300 milhões de visualizações:

Desde o começo marcada pela fuga dos padrões de beleza, Marília Mendonça adotou um discurso de aceitação que foi posto em xeque por alguns seguidores depois que surgiu mais magra no início de maio, mudança anunciada em uma postagem curtida 870 mil vezes em seu Instagram. “Eu estava com altos níveis de colesterol, triglicérides, gordura no fígado e baixa imunidade”, disse ela. Reconheceu ter se irritado com os boatos de que teria se submetido a uma cirurgia bariátrica, além das acusações de ter se adequado aos padrões estéticos. “Eu não teria defendido a aceitação do corpo desde o começo só para ter feito isso agora”, declarou alguns minutos antes de seguir em uma van até o local do show, escoltada por duas motos da polícia. A saúde problemática era resultado da rotina exaustiva que levava, com até 25 shows por mês. Hoje diminuiu a agenda para uma quantidade entre 18 e 20 shows, o que assegura ao menos dois dias de folga na semana, que costuma passar com a família em Goiânia.

Para atender à demanda de apresentações, a produção do show de Marília envolve um jatinho particular, uma equipe com 37 pessoas — todos homens, incluindo dois pilotos e três motoristas —, um ônibus e uma carreta. De Votorantim, Marília seguiria nos dias imediatamente posteriores para o rodeio de Americana, também interior paulista, e depois para Manaus, onde um serviço de produção extra teve de ser contratado. A assessoria da cantora não revelou, mas é provável que os negócios ao redor de Marília, incluindo shows, direitos e parcerias, tenham faturamento próximo dos R$ 10 milhões por mês. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

oito + 9 =

1 Comentários

Avatar
Iraldiza Medeiros Krugel 14 de julho de 2018 - 11:39

Adoro a Marília acho a sua mensagem muito real, por isso faz tanto sucesso. ” tirou daqui ô”( apontar o dedo pra boca, e plagear aquele personagem humorista do Planeta dos homens). E muita empatia com aqueles e aquelas que sofrem por amor. Além de ter uma voz vigorosa e linda. A beleza física dela foge dos padrões porque se ilumina à medida em que a conhecemos. Demais essa menina!!

Responder