Museu para caubóis negros que o cinema esqueceu

Por Maya Santana
Django Livre, um dos poucos filmes que mostram um caubói negro

Django Livre, um dos poucos filmes que mostram um caubói negro

O filme de Quentin Taratino Django Unchained (Django Livre, na versão em português), vencedor de dois Oscar, é um dos poucos filmes de Hollywood que mostra um caubói negro. Na realidade houve muitos, cujas histórias foram usadas em filmes estrelados por atores brancos. A imagem mais comum do caubói é um homem branco usando botas e carregando uma arma nos westerns – como John Wayne ou Clint Eastwood.

Mas o retrato de Hollywood de oeste americano é uma versão caiada da realidade. Acredita-se que um quarto de todos so caubóis eram negros. Assim como muitas pessoas, Jim Austin – um empresário de 45 anos – não sabia sobre a presença de negros no Velho Oeste. A descoberta inspirou a ele e sua mulher Gloria a criarem o Museu Nacional da Herança Multicultural do Oeste em Fort Worth, no Texas. O museu homenageia alguns dos caubóis negros esquecidos.

O museu é uma homenagens aos muitos caubóis negros

No verdadeiro velho oeste, caubóis negros eram comuns

“As crianças que aprendem história em nossas escolas não estão ouvindo a verdade sobre o que era o oeste”, diz Austin. “Eu aposto com você que nove entre 10 pessoas neste país acham que os caubóis eram todos brancos – como eu pensava.”

No verdadeiro Velho Oeste, ao contrário dos filmes, os caubóis negros eram comuns. “Eles geralmente trabalhavam treinando cavalos que não tinham sido montados muitas vezes”, diz Mike Searles, professor de história aposentado da Universidade Estadual de Augusta, no Estado da Geórgia. Seus estudantes o conheciam como caubói Mike porque ele dava aulas usando esporas, perneiras e um chapéu.

“Os caubóis negros também eram cozinheiros em vagões de comida e eram conhecidos por cantarem e ajudarem a manter o gado calmo”, conta. De acordo com a pesquisa de Searles, que inclui entrevistas com ex-escravos nos anos 1930, os caubóis negros se beneficiavam, em certa medida, do que ele chama de “igualdade do pasto”. Leia mais na bbcbrasil.com.br


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais