fbpx

Um passeio seguindo últimos passos de Tiradentes

Por Maya Santana

Tiradentes foi enforcado e esquartejado no Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1792

Ele foi enforcado e esquartejado no Rio em 21 de abril de 1792. Quadro de Pedro Américo

Os últimos passos de Tiradentes no Rio podem ser seguidos, nos dias de hoje,  221 anos depois de sua execução. Historiadora formada pela Universidade Federal  Fluminense (UFF), Nani Rodrigues decidiu comandar neste domingo um passeio  voltado tanto para o turista que visita a cidade quanto para o carioca que  desconhece a riqueza de seu passado.

A ideia é refazer, no Dia de Tiradentes, a via crucis pelas ruas do Centro,  partindo da Cadeia Velha — terreno onde foi erguido, em 1929, o Palácio  Tiradentes, na Praça Quinze. Nas celas da prisão colonial, o inconfidente ficou  trancafiado por cerca de três anos até o momento de caminhar, escoltado por  soldados da corte portuguesa, para a morte. O interessante da chamada Expedição  Cultura é prestar atenção nas construções que fazem parte da paisagem urbana  desde os tempos do mártir da Inconfidência Mineira.

Rua Gonçalves Dias, no centro do Rio, onde Tiradentes ficou preso

Rua Gonçalves Dias, no centro do Rio, onde Tiradentes ficou preso

— Será uma boa caminhada em direção à História do Brasil. O Rio nunca mais  foi o mesmo após Tiradentes ter sido sentenciado à forca pelo crime de  lesa-majestade, pela Rainha Dona Maria I — explica Nani. O ponto de encontro do grupo será às 10h, em frente à estátua do líder. Dali,  o grupo segue pela Rua da Assembleia até a Rua da Carioca. Na altura da  Gonçalves Dias, Nani fará uma paradinha para explicar que foi num dos sobrados  desta via que Tiradentes foi preso.

No seu caminho de morte, Tiradentes avistou o Morro de Santo Antônio, com o  Convento homônimo e a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência.  Erguido no início do século XVII, o conjunto arquitetônico é uma das construções  coloniais mais antigas do Rio. Continuando o trajeto, na Avenida Passos, o grupo passará pela Igreja Nossa  Senhora da Lampadosa, onde o personagem histórico ouviu a última missa de sua  vida. Leia mais em O Globo.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

1 × 2 =

1 Comentários

Avatar
Sonia Sant´Anna 6 de julho de 2015 - 12:07

Tiradentes ficou preso na Ilha das Cobras, onde sua cela ainda pode ser visitada. Os inconfidentes não ficaram todos na mesma prisão. A cela de Tomás Antônio Gonzaga, por exemplo, ainda pode ser visitada na Fortaleza da Conceição, no alto do morro do mesmo nome.
Durante os dias do julgamento, os réus foram todos transferidos para a Casa de Câmara e Cadeia (atual Assembleia Legislativa), onde foram julgados e sentenciados.
Informações encontráveis em vários livros, inclusive nos Autos da Devassa.

Responder