fbpx

Uma mulher linda que se esticou a ponto de perder toda a expressão

Por Maya Santana

A australiana Nicole Kidman, na minissérie ‘The Undoing’, está igual em todas as cenas. Foto: Divulgação/HBO

Acho que cada um é dono de si e, portanto, faz o que melhor lhe convier. Mas também não entendo como mulheres tão bonitas, tão jovens, caem na tentação de retocar o que a natureza generosamente lhes deu. Corta aqui, corta ali, preenche aqui, preenche ali. E assim passam pela melhor fase da vida tentando conter o tempo, buscando preservar o que muda, inexoravelmente. Começamos a envelhecer no momento em que desembarcamos nesse mundo. E, feliz ou infelizmente, o processo é contínuo. Já trabalhei em um hospital. Talvez por isso seja avessa a cirurgia plástica. Mas, claro, respeito quem pensa o contrário.

Esta semana, a cantora Maria Rita, 43, causou a maior polêmica ao se manifestar no Twitter contra esses procedimentos esstéticos: ““Parem de congelar a cara, eu imploro. Não é legal. Nem bonito. Nem charmoso. Não é. Juro jurinho,” disse ela.

Cirurgia plástica, botox e outros procedimentos estéticos são o assunto desse artigo de Ruth Aquino, de O Globo, sobre o fato de a atriz Nicole Kidman ter mudado o rosto de tal maneira, que perdeu “toda a expressão.”

Leia:

O que faz uma mulher linda se esticar tanto e preencher suas rugas de expressão a ponto de perder toda a expressão? Para uma pessoa comum, já é complicado. Para uma atriz, é fatal. A australiana Nicole Kidman, na minissérie ‘The Undoing’, está igual em todas as cenas. No tribunal, na cama, no sexo, no café da manhã, no jantar. Nada se mexe. Os músculos estão paralisados. Não por uma doença. Mas por opção. Plásticas e procedimentos em série.

Nicole tem 53 anos e é exemplo de uma combinação nefasta de botox, preenchimentos para levantar as feições, bioestimulação de colágeno, plásticas. Uma obsessão não só de ricas e famosas. No Brasil da pandemia, é um universo paralelo à realidade. Nossa saúde pública e particular está à beira do colapso. Há falta d’água criminosa. Tiroteios. Assaltos a bancos com reféns. E consultórios de dermatologistas têm lista de espera de mulheres desesperadas para retocar o botox vencido. Rosto despencou na quarentena…e as festas de fim de ano não podem desmascarar o envelhecimento natural. Pode isso?

Leia também: Vai fazer plástica? Tem referências do cirurgião? Cuidado!

Na minissérie da HBO, Nicole interpreta Grace, uma psicanalista bem-sucedida. Rica, elegante, traída, suspeita de ter assassinado a amante do marido. Em nenhum momento de seu drama particular, o rosto trai alguma emoção. (atenção: spoiler a seguir neste parágrafo) Nem mesmo num dos ápices, quando descobre por acaso a arma do crime dentro do estojo de violino do filho adolescente. Ela olha o martelo de esculpir como se fosse…um violino.

Veja o trailer:

A atriz já esteve deformada, com a boca inflada por ácido hialurônico, e vem tentando corrigir intervenções malfeitas ao longo dos anos. A boca desinchou com o tempo. A face, antes afilada, passou a ter o formato de coração, com as maçãs salientes, as sobrancelhas puxadas para cima. Ela se tornou outra pessoa. Parece ter dificuldade em fechar os lábios. Raiva, amor, felicidade, frustração, nada aparece. Por que isso, numa atriz esplendorosa que já interpretou o difícil papel de Virginia Woolf em ‘As Horas’?

Há quatro grupos de mulheres que buscam rejuvenescer. Uma conversa com o dermatologista Fábio Cuiabano ajuda muito a entender. Existe a mulher que um dia olha uma selfie (e as selfies podem ser implacáveis e catastróficas, diz ele) e pensa “como estou enrugada”. A vida delas não depende disso, mas um dia se incomodam e percebem que um botox suave pode amenizar uma tristeza fictícia e aparente, causada por sulcos e vincos da idade.

Leia também: Rosto tratado, mas com rugas. É o fim da cirurgia plástica?

Um segundo grupo é de mulheres belíssimas quando jovens e que não se conformam em ficar feias quando velhas. “O que é um mito”, diz Cuiabano. “Quem tem traços bonitos envelhece com beleza quando se cuida e não adoece”. Muitas começam a intervir no rosto cedo demais, na faixa dos 30. Um erro, porque leva ao exagero com o passar dos anos. O terceiro grupo, cada vez maior, não aceita envelhecer, sejam elas bonitas ou não. Não estão psicologicamente preparadas para a velhice. E o quarto grupo, do qual Cuiabano foge, é das que querem se modificar porque estão de mal com a vida. Botox não preenche frustração. Continuarão insatisfeitas depois.

Veja Nicole Kidman nesse trailer de As Horas:

Fãs tuitaram, perplexos, ao perceber a máscara congelada da diva do cinema. A cabeleira ruiva cacheada e as roupas compridas, o corpo longilíneo e a elegância, tudo isso ajuda a disfarçar. Mas Nicole ficou tão inexpressiva que sua atuação incomodou. O pai dela na trama, Donald Sutherland, e o filho, Noah Jupe, 15 anos, deram um banho na protagonista. Podemos ler no rosto deles as emoções. Não é o que se espera de atores, atrizes e de simples mortais?

Veja também:Entre os 40 e os 50, elas sofrem mais com a prisão que é viver no Brasil

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

um × cinco =