Velhos trabalham cada vez mais tempo na Finlândia

Por Maya Santana
País criou regras que passaram a incentivar trabalhadores como Tuulikki a ficar empregados mais tempo

País criou regras para incentivar trabalhadores a ficar empregados mais tempo

A Finlândia é um país nórdico com uma população pequena – cerca de 5.500 milhões de habitantes – que, como o Brasil, vem envelhecendo rapidamente. Por isso, tomou a dianteira na adoção de medidas que permitam aos finlandeses permanecer mais tempo no mercado de trabalho. Em 2001, somente 5% dos trabalhadores acima de 65 anos estavam empregadas. Em 2011, pulou para 12%. Foi o maior avanço entre os 17 países que compõem a zona do euro. Mesmo sendo pequena e muito diferente do Brasil, a Finlândia é um país a ser observado pelo pioneirismo de suas ações nesta área.

Leia o artigo publicado pela revista Época Negócios:

Ao longo de quase cinco décadas, a administradora de empresas Tuulikki Ruuska-Kinnunen, de 69 anos, passou incólume pelos altos e baixos do mercado de trabalho finlandês. Conseguiu o primeiro emprego nos anos 60, quando a taxa de desocupação no país era de 2%. Manteve-se atuante mesmo nos anos 90, na maior crise da história do país, que fez a taxa de desemprego disparar para 16%.

Com esse histórico, poderia ter parado de trabalhar aos 62 anos, idade mínima para a aposentadoria na Finlândia. Mas Tuulikki decidiu postergar a carreira até os 68 anos. O motivo? “Queria aumentar o valor da aposentadoria.” Por ter ficado empregada mais tempo, Tuulikki conquistou o direito, para o resto da vida, de receber 4 000 euros a mais por ano — quase 13 000 reais pelo câmbio atual.

Entre a Suécia e a Rússia

Entre a Suécia e a Rússia

Histórias como a de Tuulikki têm se repetido cada vez mais na Finlândia. Em 2001, apenas 5% das pessoas acima de 65 anos estavam empregadas. Em 2011, a fatia passou para 12%, o maior avanço registrado na zona do euro. “A Finlândia apresenta uma das taxas de envelhecimento mais rápidas do mundo e, por isso, temos feito um grande esforço para prolongar o período de trabalho da população”, diz Paula Risikko, ministra de Relações Sociais e Saúde da Finlândia.

O país tem sido pioneiro na adoção de políticas inovadoras. Já na década de 90, montou um fundo para financiar o treinamento de trabalhadores da terceira idade e começou a veicular campanhas de divulgação para convencer as empresas a contratá-los. Em 2005, criou regras que passaram a incentivar trabalhadores como Tuulikki a ficar empregados mais tempo.

Quem decide se aposentar aos 62 anos ganha 70% da média de seus salários ao longo da vida. Os que esticam o vínculo empregatício por mais seis anos saem da ativa com uma aposentadoria equivalente a 90%. Os resultados dessa mudança nas regras não demoraram a aparecer. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais