Viva intensamente a aventura de ser maduro

Longe de ser o fim,  velhice deve ser encarada como mais uma etapa da vida
Longe de ser o fim, velhice deve ser encarada como mais uma etapa da vida

De uma feita que a velhice é considerada a última etapa da vida, torna-se mais freqüente o pensar sobre a morte e sobretudo sobre o que vem depois da morte. Esta questão mereceria uma reflexão à parte. Não podemos esgotá-la nos limites deste trabalho.

Se a morte parecia uma questão longínqua, pouco pensada, não apenas as limitações pessoais progressivas, como as mortes circundantes tornando-se mais freqüentes: dos pais, dos parentes e amigos. Forçosamente pensa-se no assunto.
Costuma-se dizer que o idoso terá sua velhice como conseqüência do que foi sua vida até ali. A personalidade é uma construção. Ninguém é o que é por acaso. É fruto da maneira como viveu cada uma das etapas da vida, dos objetos e desejos que cultivou durante a vida. A velhice deve ser compreendida não como uma involução, retrocesso, mas como uma evolução. Alguma coisa que se inscreve no processo de avançar.

Mira y Lopez (sociólogo e psiquiatra espanhol) em A Arte de Envelhecer assinala quatro maneiras igualmente ineficazes de viver a maturidade: agarrar-se ao passado, Negar a velhice, Isolamento e adotar uma atitude místico-religiosa.

Roger Gentis (psicanalista francês) acrescentaria a esta lista outros elementos, centrando, sobretudo na angústia desencadeada pelo comprometimento da imagem de si mesmo “o egoísmo, a voracidade oral (comer em demasia), o charme exibicionista de algumas idosas, a hipocondria de outros que passam o tempo a procurar dor ou doença para correr ao médico. E, mais ao fim da lista, a regressão profunda do demente senil que se refugia em comportamento infantilizado – “voltou a ser menino”, como diz o homem da rua…”

É indispensável desenvolver com os idosos todo um projeto de Ecologia de Vida, fazendo-os descobrir que, longe de ser o fim, a velhice deve ser encarada como mais uma etapa da vida, que pode e deve ser vivida plenamente. A confiança e a segurança são fatores decisivos no equilíbrio psíquico do idoso. Que ele possa sentir-se parte integrante de um grupo social sólido e solidário, percebendo-se útil e amado. Uma segurança consolidada num apoio econômico significativo e na liberdade de viver intensamente a aventura de ser maduro.

Texto de: Dr. Antonio Mourão Cavalcante.Professor Titular de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, autor do livro “Casal, como viver um bom desentendimento”(Ed. Record / Rosa dos Tempos – Rio de Janeiro)

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca faremos spam! Dê uma olhada em nossa Política de Privacidade para mais informações.

Um Comentário

  1. Este comentário é bastante pertinente e interessante.
    Há uma tendência a infantilizar o idoso, como se de fato ele voltasse a ser criança, e isso não é a sua realidade.
    É fundamental que este olhar seja dirigido a alguém que já viveu muito e leva consigo a experiência de uma longa vida, qualquer que tenha sido a forma de vivê-la; que possa resgatar sua capacidade de viver dentro das limitações que fazem parte desta fase da vida, e que isso possa ser otimizado da forma que lhe for possível.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × um =

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo