Zonas azuis: cinco áreas do mundo onde as pessoas vivem mais

Por Maya Santana
Loma Linda, cidade com menos de 25 mil habitantes é uma das zonas azuis

Loma Linda, cidade com menos de 25 mil habitantes, na Califórnia

Muito bom esse artigo de Theresa Dino e John Hastings para o site menshealth.abril.com.br sobre as cinco áreas do planeta onde a população vive muito mais do que a média mundial, em geral, até depois dos 100 anos. São as chamadas “zonas azuis.” Já postei aqui artigos sobre uma delas, a ilha de Ikaria, na Grécia. As outras quatro são: a cidade americana de Loma Linda, na Califórnia; ilha da Sardenha, na Itália; a ilha de Okinawa, no Japão; e a península de Nicoya, na Costa Rica, América Central. Por que vivem tanto?

Leia o artigo:

Uma ilha no Mar Mediterrâneo. Uma no Mar Egeu. Uma no Mar da China Oriental. Uma península na Costa Rica. Uma cidade no Condado de San Bernardino (EUA). Lugares que parecem ser exóticos. Mas não (só) por isso ganharam fama. Tornaram-se celebridades por esbanjar um valioso recurso natural: longevidade de alta qualidade. São chamados pelos cientistas de Zonas Azuis: lugares onde as pessoas vivem por muito tempo, e bem; várias ultrapassam a casa dos 100 anos na boa – a média de expectativa de vida no Brasil é 73 anos, segundo a Síntese de Indicadores Sociais do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).

O que mais surpreende os demógrafos, no entanto, vem agora: na maioria das Zonas Azuis, o homem possui quase tanto tempo de vida quanto a mulher. Não é um fato apenas incomum. É inédito para a ciência. Na maior parte do planeta, a mulher morre bem depois que o homem. Aqui, de acordo com o IBGE, a diferença é de oito anos: a expectativa de vida dela é 77 anos e dele, 69. Quais os segredos dos matusaléns modernos? Consultamos pesquisadores e o especialista Dan Buettner, autor do livro The Blue Zones (não lançado em português) e trouxemos as respostas: caminhos para você viver mais, e melhor.

Na Sardenha, que é uma ilha região autônoma da Itália, maioria moradores passa dos 100 anos

Na Sardenha, a maioria moradores passa dos 100 anos

SARDENHA, ITÁLIA

A longevidade dos sardos pode estar relacionada ao DNA – a ilha da Sardenha fica isolada no Mar Mediterrâneo e tem baixa imigração, então o grupo genético da região é relativamente puro. Mas hábitos sociais de longa data também contribuem, segundo os especialistas: tome a birita certa e exercite a mente para sempre.

Os sardos entornam dois copos de vinho por dia. “É a bebida que possui maior quantidade de flavonoides – o tinto mais que o branco”, afirma Tamara Mazaracki, médica nutróloga do Rio de Janeiro e membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). Flavonoides são substâncias que fazem bem ao coração. “O melhor jeito de o seu corpo absorvê-las é pela mucosa da boca.” Saboreie o vinho por alguns instantes antes de engolir e seu benefício será maior. As melhores pedidas para brindar no calor são os tintos que caem bem após serem resfriados na geladeira (confira nossa seleção no box).

“Mesmo na faixa dos 90 anos, os sardos seguem trabalhando”, diz Michel Poulain, demógrafo da Universidade Católica de Louvain (Bélgica). “Na Sardenha não há aposentadoria.” O que não significa que você deve dispensar o benefício do Brasil e continuar no batente até morrer. Aposente-se, mas siga aprendendo. Segundo estudo da Universidade da Califórnia (EUA), quem se sente jovem investe mais em novas habilidades do que quem se acha velho. A aquisição de conhecimentos reforça a vitalidade. Sejam eles quais forem – aprender italiano, a degustar vinhos ou a fazer mágica -, ajudam você a tirar alguns anos da cartola.

Nicoya é uma província da Costa Rica. Fica na América Central

Nicoya é uma província da Costa Rica. Fica na América Central

NICOYA, COSTA RICA

A península é o destino mais famoso do país: sedia praias sensacionais do Pacífico. A geografia conspira contra o estresse, ok. Mas o nicoyano esbanja longevidade por mais motivos. Como ele, gaste sua grana no que realmente merece e coma certo.

A equipe de Luis Rosero-Bixby, diretor do Centro de População da América Central da Universidade da Costa Rica, analisou o sangue de nicoyanos idosos e descobriu que eles possuem telômeros mais longos que a média. Telômeros são extremidades dos cromossomos do DNA que ditam quantas vezes suas células podem se dividir antes de morrer. Estão associados ao prazo da sua vida. Evite o que encurta os telômeros, a começar pelo estresse. Atalho: reoriente seus gastos. Em vez de focar a renda em comprar coisas, privilegie usar o dinheiro para fazer coisas. Segundo pesquisa da Universidade Cornell (EUA), as pessoas se arrependem mais ao lembrar de bens adquiridos – “Por que comprei aquilo?!” – do que ao recordar experiências em que investiram – viagens, festas etc. “Os nicoyanos têm poucos pertences, o que reduz o estresse”, diz Rosero-Bixby.

Você ganha em nutrição se consumir frutas e vegetais frescos – como faz o nicoyano. Quando eles ficam armazenados mais de uma semana, perdem as vitaminas C (que evita câncer e envelhecimento) e do complexo B (que mantêm a saúde de tecidos do corpo), aponta pesquisa no Journal of the Sciences of Food and Agriculture, periódico internacional. “O ideal é consumir frutas e vegetais no máximo três ou quatro dias após a compra”, indica Tamara. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais