fbpx

Amor é das coisas mais maravilhosas do mundo mas não é a única

Por Maya Santana

“Chega uma hora em que a capacidade de amar diminui. Mas como na nossa cultura é obrigatório ter um homem, quem não tem continua procurando por um, seja ele quem for e o que for”

Maya Santana, 50emais

Podem dizer o que quiserem dela, mas Danuza Leão é uma mulher admirável. Tem inteligência e sensibilidade como poucas e um humor único. E ela mostra tudo isso nesta crônica, ao mesmo tempo debochada e séria, publicada em O Globo com o título “A tal da maturidade – Parte I”. Fala do amor e do envelhecimento. Ou como tudo vai mudando à medida em que vamos caminhando na vida. Pode ser que em algumas partes do texto a gente discorde dela, mas, no geral, Danuza está com razão. Principalmente quando afirma: “O amor é das coisas mais maravilhosas do mundo mas não é a única.” Concordo plenamente. É uma maravilha amar. Mas dá perfeitamente para viver sem um amor.Com toda a liberdade do mundo. Só pra você.

Leia:

Não, muita graça não tem: é melhor ter 30 anos e fazer loucuras do que ter 60 e ser sábia e experiente — até porque fazer loucuras é uma delícia. Existem coisas que é melhor ignorar, fingir que não existem, para que a vida fique melhor. Essa história de assumir a tal da maturidade e os cabelos brancos não resolve rigorosamente nada, e um pouco de ilusão faz muito bem à pele e à alma. Mas existem algumas regras para quem já passou dos 50 — sejam homens ou mulheres.

Fácil não é: você não pode comer porque engorda, não pode beber porque o fígado já era, não pode fumar porque sabe que faz mal, e a transa nunca mais é como foi — afinal, o tempo passa para eles também (e depois de uma certa idade você não vai namorar um garotão, vai?). Na Europa e nos EUA, quem passou dos 50 ainda é considerada uma pessoa normal, a quem se cumprimenta e até se convida para jantar. Mas no Brasil — e sobretudo no Rio —, se você não for muito, mas muito jovem, está liquidada, porque nesse clima tão tropical, a primeira qualidade de uma mulher é a juventude.

Em relação aos amores, chega uma hora em que a capacidade de amar diminui. Mas como na nossa cultura é obrigatório ter um homem, quem não tem continua procurando por um, seja ele quem for e o que for. Mal sabem elas que a partir do momento em que decidem encerrar esse capítulo — e isso são elas que devem decidir, e não deixar que a vida decida por elas —, uma outra maneira de viver se apresenta: sem aflições, sem dependências, sem esperar telefonemas, sem ciúmes, sem ter que negociar para decidir para onde vão viajar, sem ter que ceder e jantar com os amigos dele que ela odeia, sem fazer concessões de nenhuma espécie, dona absoluta do seu nariz.

Ah, mas o amor não é a coisa mais maravilhosa do mundo, cantada em prosa e verso pelos poetas? É, mas em termos. Em primeiro lugar, nem todos os amores são tão felizes assim, nem tão eternos: os que duram se transformam em amizade, em hábito, em companhia, muito prático aliás pelos que são incapazes de ficar sós. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

18 + catorze =