Destaques

Aos 88 anos, morre na Argentina Quino, o pai da genial Mafalda

“Morreu Quino. Todas as pessoas boas deste país e do mundo irão chorar” – disse Daniel Divinsky, editor do cartunista falecido nesta quarta-feira

É imensa a perda para todos nós do argentino Quino, que deu vida, na década de 1960, a uma das personagens mais admiradas no mundo: a brilhante Mafalda, menina de seis anos preocupada com a humanidade, com o meio ambiente e a paz mundial,  conhecida pelos comentários mais ferinos sobre as injustiças sociais. Como lembrou André Cáceres em um artigo para o Estadão, “apesar de ter durado menos de uma década e ter sido descontinuada há 47 anos, Mafalda conseguiu o que pouquíssimos cartuns foram capazes: manter-se atual e atemporal muitos anos depois.”

Leia mais sobre Quino e sua mais importante criação:

O cartunista argentino Quino, criador das tirinhas da Mafalda, morreu nesta quarta-feira (30), aos 88 anos. A morte foi confirmada pelo jornal “La Nación” e por Daniel Divinsky, editor do cartunista. “Morreu Quino e, com isso, todas as pessoas boas deste país e do mundo irão chorar”, publicou Divinsky nas redes sociais. Nascido em 17 de julho de 1932, em Mendoza, onde voltara a viver desde 2017, quando sua mulher Alicia Colombo faleceu, Joaquín Salvador Lavado era o mais renomado cartunista do mundo hispânico.

“A tristeza é absoluta”, disse uma pessoa próxima à família ao “La Nación”. Diversas fontes afirmaram ao jornal argentino que Quino faleceu por condições próprias da idade. Segundo o “Clarín”, o cartunista sofreu um AVC na semana passada. Nos últimos anos, por conta de problemas de circulação nas pernas, passou a se locomover de cadeira de rodas. Também tinha glaucoma, o que afetou-lhe seriamente visão. No entanto, pessoas que vivam próximas a ele afirmaram que o cartunista não perdeu o ânimo nos últimos meses.

Carlos Latuff: “Quino nos deixou hoje, mas sua filha Mafalda segue com a luta!”

As tirinhas de Mafalda, a menina sabichona, respondona e de esquerda, foram publicadas em mais de 35 idiomas. As 1.928 tirinhas de Mafalda foram criadas durante nove anos, entre 1964 e 1973. “Mas nunca terminei de aprender a desenhá-la”, afirmou há alguns anos. Malfalda é a tirinha latino-americana mais vendida do planeta e, cinco décadas depois, os comentários da menina continuam supreeendentemente atuais.

‘Desenhei-a por nove anos e segue atual. Uma pena, não?’

Depois de Mafalda, Quino não voltou a ter outro personagem fixo em suas tirinhas. “Desenhei-a por nove anos e segue atual. Uma pena, não?”, disse na abertura da 40ª Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, quando confessou sentir muito carinho por sua personagem e por tudo o que ela lhe deu.

Quino recebeu o apelido que o tornou famoso ainda na infância; Seus pais, espanhóis da Andaluzia, escolheram o diminutivo para diferenciá-lo de seu tio, Joaquín, de quem herdou o nome e o gosto por desenhar.

Aos 18 anos, Quino trocou Mendoza por Buenos Aires. Aos 22, publicou sua primeira tirinha, no semanário “Esto es”. O primeiro livro, “Mundo Quino”, saiu em 1963, um ano antes da criação de Mafalda, que estreou na revista “Primera Plana”. Mafalda é uma menina de classe média, que gosta dos Beatles, não gosta de sopa e tem sempre na ponta da língua comentários agudos sobre as injustiças sociais. A partir de 1965, Mafalda e seus amigos (Susanita, Manolito e outros) passaram a estampar as páginas do jornal “El Mundo”, um dos mais influentes da Argentina à época.

Mafalda tem sempre comentários agudos sobre as injustiças sociais

Em 2018, Quino criticou a apropriação de Mafalda por movimentos que se opõem ao direito ao aborto na Argentina: ““Foram divulgadas imagens de Mafalda com o lenço azul claro que simboliza a oposição à lei de interrupção voluntária da gravidez. Não autorizei isso, não reflete minha posição e peço que seja removida. Sempre acompanhei causas sobre direitos humanos em geral e os direitos da mulher, em particular, e a elas desejo sorte em suas reivindicações”, escreveu em comunicado divulgado por sua família e publicado pela imprensa local.

A última homenagem

Quino na abertura da exposição "O mundo segundo Mafalda", em Buenos Aires, em 2014 Foto: Natacha Pisarenko / AP
Quino na abertura da exposição “O mundo segundo Mafalda”, em Buenos Aires, em 2014 Foto: Natacha Pisarenko / AP

Quino colecionou prêmios ao longo da carreira. Entre os mais prestigiosos estão a Ordem Oficial de Honra do Governo Francês e o Prêmio Príncipe de Astúrias de Comunicação e Humanidades, recebido em 2014, quando Mafalda completou 50 anos.

Em julho, quando completou 88 anos, Quino foi homenageado por Mendoza, sua cidade natal. A “Quinopédia” aconteceu via streaming e o cartunista recebeu um “abraço virtual” de milhares de pessoas, que lhe enviaram desenhos, fotos, vídeos e mensagens. Antes de se restabelecer em Mendoza, Quino vivera entre Buenos Aires, Madri e Milão, na Itália.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca faremos spam! Dê uma olhada em nossa Política de Privacidade para mais informações.

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

Botão Voltar ao topo