fbpx

Com o mundo cada vez mais veloz, aprenda a preservar a memória

Por Maya Santana

Há dois anos, a aposentada Nagibe Saigg, de 69 anos, faz exercícios para estimular a memória e conta que se sente muito melhor (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

Maya Santana, 50emais

Memória. Um assunto que sempre me interessou porque, já falei várias vezes aqui no 50emais, venho de uma família que não tem a memória como seu forte. Agora,então, que estamos todas com mais de 50 anos(tenho outras seis irmãs), sofremos, mas rimos muito também, com os constantes esquecimentos. A grande notícia é que, segundo esta longa reportagem de Lilian Monteiro, do jornal Estado de Minas, “a maioria das causas da perda da memória é previsível e reversível com a mudança de hábitos de vida como meditação, técnicas de relaxamento e treino da memória. É possível exercitá-la e assim torná-la mais ativa.”

Leia:

Na pequena cidade de Fray Bentos, no Uruguai, nos idos de 1800, viveu Irineu Funes, cuja memória era tão excepcional que ele era incapaz de esquecer. Era dono da memória perfeita, o que sempre foi uma ambição humana. Funes, el memorioso é o personagem principal de um dos contos do livro Ficciones, de um dos maiores escritores da literatura estrangeira, o argentino Jorge Luís Borges, um dos mais importantes exemplos do realismo fantástico, gênero também construído por Júlio Cortazar e Gabriel Garcia Márquez. Por ser incapaz de esquecer, Funes não consegue ter ideias e, portanto, não há como pensar. É algo irreal, mas já imaginou se todos tivéssemos a capacidade da memória perfeita?

Numa sociedade contemporânea cheia de filtros, é natural que a memória da geração atual seja, naturalmente, seletiva. Mas até que ponto o ritmo acelerado do mundo atual, a facilidade e a rapidez dos meios de comunicação (determinadas pelo avanço tecnológico) afetam a capacidade humana de reter fatos e experiências? Será que corremos o risco de viver em uma sociedade do esquecimento?

Há várias causas para a perda de memória. Desde o envelhecimento, a ansiedade, passando pelo estresse, cansaço, alteração do sono até doenças neurológicas, como Alzheimer. A maioria é previsível e reversível com a mudança de hábitos de vida como meditação, técnicas de relaxamento e treino da memória. É possível exercitá-la e assim torná-la mais ativa.

A alteração da memória é mais comum em idosos, mas jovens também podem encarar esquecimentos nada confortáveis. A notícia boa é que há saída. E, na verdade, como não existe memória perfeita, esquecer faz parte. Aliás, nenhum ser humano desejaria ser como Funes, prisioneiro de sua capacidade e incapaz de pensar sobre o que vive. Há coisas que precisamos e desejamos esquecer.

A reportagem conta histórias do bancário Paulo Henrique Lima de Resende Chaves, de 33 anos, e da aposentada Nagibe Saigg, de 69, que têm em comum a memória “ruim”. Ambos revelam o que fazem para que as lembranças permaneçam registradas por mais tempo possível. Ela confessa que “nunca me preocupei muito com a memória, total falta de interesse. Achava que, se não guardasse, não precisaria. Nasci em Belo Horizonte e não sei nenhum nome de rua”. Já Paulo revela que “a minha memória nunca foi boa, sempre esqueço coisas do dia a dia. Sempre decorei fazendo repetições, o que não é errado. Mas com algumas técnicas de estudo percebi que não é uma maneira eficiente”. E esta edição também narra a história de Karel van Den Berger, de 99, um holandês que veio para o Brasil há mais de 50 anos e é um exemplo de vitalidade. Aos 97, sofreu um leve AVC e sentiu que havia ocorrido uma pequena perda da memória e hoje pratica exercícios para que a tenha em dia. E conseguiu.

Nagibe Saigg, formada em letras (português e francês), trabalha com estimulação cognitiva incentivando as funções relacionadas à memória: “Tornei a minha memória ruim, não cuidei e não me preocupei. Nunca quis saber nome de rua, de livro, de artista da TV e sempre perguntava, para quê? Nunca aprendi tabuada. Só queria aprender o que me fazia sentido. Com 50 anos, fui fazer faculdade da maturidade na Estácio, foi quando me deu o clique. Fiz francês e, ao me pedirem, não consegui soletrar uma palavra. Foi horrível, fiquei chocada. Até saí da faculdade. Passei até a ter dificuldade para dançar, o que faço desde os 5 anos, não guardava os passos da coreografia. Reparei que, ao envelhecer, a memória tinha piorado. Também faço parte de um grupo da maturidade na Igreja Santa Luzia, na Cidade Nova, e depois de uma reunião mensal, com uma palestra sobre a memória, percebi que tinha de tomar uma atitude”.

Assim, há dois anos, Nagibe e o marido, o engenheiro Eduardo, de 62, têm uma aula por semana, durante duas horas, na clínica Ginástica do Cérebro: “Melhorou tudo na minha vida cotidiana. Fazemos cálculo com ábaco, há jogos, desenhamos, enfim, várias atividades. Antes, não prestava atenção em nada, levava a vida anestesiada, ainda que seja curiosa, mas só sobre o que me interessava. Agora, estou mais ligada e, garanto, melhor do que quando jovem. E ainda faço tricô, crochê, hidroginástica, amo ler e tudo isso ajuda a minha memória”.

Medo e Emoção

“Sou um velho estudante. Tenho pelo menos 15 coisas diferentes para fazer todos os dias. As pessoas mais velhas têm que fazer coisas interessantes para se manter ativas” – Karel van Den Berger, de 99 anos, filósofo e músico (foto: Arquivo Pessoal )

Em entrevista ao site do médico e oncologista Drauzio Varella, o médico, professor e neurocientista Ivan Izquierdo, argentino naturalizado brasileiro, uma das maiores referências no mundo científico, explica que memória é aquisição, conservação e evocação de informações provenientes de fora ou de dentro do indivíduo. E que há processos diferentes de memória. O mais rápido é a do trabalho, que dura segundos, logo se esquece. O que dura horas ou minutos é o usado para conversar, entender um livro e ir a um lugar. O terceiro é o da memória de longa duração, que persiste durante seis horas ou mais. Conforme Ivan Izquierdo, a memória que melhor conservamos é a que tem conteúdo emocional forte, ou seja, a morte de alguém da família, o nascimento do filho, o casamento. E avisa: “A memória perfeita não existe”.

Ivan Izquierdo explica ainda que o ser humano tem 100 bilhões de neurônios e cada um deles se comunica com outros mil. Portanto, o número de permutações é imenso e todos entram em jogo mais cedo ou mais tarde. Assim, quanto mais organizada essas conexões melhor funcionará a memória. Tema dos mais instigantes, o neurocientista ensinou que “somos aquilo que também escolhemos esquecer. Cada indivíduo escolhe o que vai guardar e o que vai esquecer. Às vezes com intervenção da vontade, às vezes, não. Isso nos distingue como pessoas. Boa parte do processo é inconsciente. Curiosamente, o cérebro nunca apaga, pode até impedir a invocação a qualquer momento, as memórias de medo, porque ele é necessário para a sobrevivência.” A memória do medo nunca é apagada para que o ser humano possa escolher entre fugir ou enfrentar.

É importante que todos saibam que não saber onde colocou as chaves não é problema. Isso porque a maior parte do esquecimento é provocada pela falta de atenção. O que preocupa é quando ele passa a ser contraproducente. Aí não é bom e é preciso ter um diagnóstico profissional. Clique aqui para ler mais.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais