fbpx

Geraldine Chaplin: “Não há nada de belo na velhice”

Por Maya Santana

"Quando a gente fica velho ninguém te vê"

“Quando a gente fica velho ninguém te vê”

Ao contrário de muitas atrizes que tentam dourar a pílula quando falam da velhice, Geraldine Chaplin, 70, filha do lendário Charles Chaplin, fala com franqueza de como vê o avançar da idade: “Não há nada de belo na velhice, é uma desgraça, um massacre”. A atriz esteve no Brasil duas vezes este ano. Da segunda vez, no final de outubro, ela deu esta entrevista à agência Efe, publicada pelo Uol:

Leia:

Aos 70 anos, a atriz Geraldine Chaplin resiste a envelhecer, e se justifica com uma honestidade desconcertante: “não há nada de belo na velhice, é uma desgraça, um massacre”.

Filha de Charles Chaplin e neta do escritor Nobel de literatura Eugene O’Neill, a intérprete anglo-americana participou da 38ª Mostra de Cinema de São Paulo, com a exibição de seu mais recente filme, “Dólares de Areia”.

Em uma entrevista à Agência Efe no último dia do festival, Geraldine Chaplin volta a falar de um de seus temas favoritos, a passagem do tempo e a batalha perdida que é tentar encontrar fontes de juventude.

E ela confessou que desde os 45 anos vê “a morte em cada esquina”.

No filme Dr. Jivago, 197

No filme Dr. Jivago, 1965

Talvez por isso já há algum tempo que a artista nega da velhice em todos os lugares que vai, já que este é “o prelúdio da morte, um país sem mapas onde só existe uma estrada que leva ao fim”.

“Muitos velhos descobrem de repente uma ilha desconhecida dentro deles mesmos, o passado, e começam a viver nele. O problema é que eu não me lembro”.

Apenas há um aspecto em que não consegue fugir dessa radiografia fulminante, confessou: “quando você fica mais velho pode ser um pouco mais observador, porque ninguém te vê”.

Em seu último trabalho, que já passou por festivais na Itália, no Canadá e na Índia antes de aterrissar no Brasil, a atriz encarna uma idosa francesa que se apaixona perdidamente por uma prostituta dominicana, um filme que rompe com vários tabus do sexo na terceira idade. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

5 × 4 =

1 Comentários

Avatar
Izzy Webb 8 de dezembro de 2014 - 11:58

What I like in being older is the freedom in saying what I think, doing what I want without giving a shit to what other people think. I also have more self confidence and I am more assertive.
It would have been nice though if I could have been like this when I was 20, I must admit.hehehehehehehe

Responder