Romance gráfico é o 1º sobre violência contra a mulher no Brasil

Lançamento do romance em quadrinhos sobre violência doméstica: 25 de novembro

Se você estiver no Rio, não perca. Será lançado na segunda-feira, 25 de novembro, na  Livraria Argumento, no Leblon, a partir das 19h, “A Filha da Mãe”, primeiro romance gráfico, ou romance em quadrinhos, do país tratando de um dos nossos problemas mais urgentes: a crescente violência contra mulheres. Somos a quinta nação mais violenta do mundo, quando o assunto é assassinato e agressãoà mulher. Por trás do rótulo “violência doméstica” se escondem números assustadores: de janeiro a novembro de  2018,  a imprensa brasileira veiculou 68.811 casos – sem contar os que não chegaram à mídia – de brutalidade contra mulheres.

Foi dessa realidade dura, inaceitável sob qualquer padrão decente de civilidade, que a jornalista Tinda Costa, 64, retirou os elementos e personagens que compõem o seu pioneiro “A Filha da Mãe”, ilustrado com maestria pelo designer gráfico Alexandre Magalhães. “O livro tem como objetivo chamar a atenção de homens e mulheres para essa situação insustentável, incompatível com as aspirações do Brasil de se inserir no clube dos países mais desenvolvidos, mais civilizados,” disse a autora ao 50emais, completando: “Com esse trabalho, quis criar uma oportunidade de refletirmos, todos nós,sobre as maneiras através das quais vamos conseguir mudar esse retrato medonho, que só diminui a estatura do país no cenário internacional.

Tinda Costa é jornalista, com mestrado em Cinema e Televisão na Universidade de Londres

Solução depende de todos nós – Quando se examina de perto o mapa da violência contra a mulher no Brasil, chama a atenção não apenas os números absurdamente altos, mas também o fato de esses números estarem aumentando continuamente.

Pesquisas recentes mostram que esse tipo de violência vem crescendo no Brasil todo, particularmente em alguns estados, como São Paulo. O Mapa da Desigualdade Social 2019, elaborado com dados do ano passado e publicado no início desse mês de novembro pela Rede Nossa São Paulo não deixa dúvidas: os feminicídios aumentaram 167% na capital paulist. Outras formas de violência contra a mulher cresceram 51%.

Por trás do rótulo “violência doméstica” se escondem números absurdos

Embora pouco se fale disso, a discriminação e agressão da mulher afeta também a economia. Em nove capitais do Nordeste, durante dois anos, entre 2016 e 2018, foram acompanhadas 10 mil mulheres para a Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, feita pela UFC (Universidade Federal do Ceará) em convênio com o Instituto Maria da Penha.

O estudo concluiu que mulheres vítimas de violência doméstica faltam em média 18 dias de trabalho por ano, o que gera uma perda anual de aproximadamente um bilhão de reais ao país. Além disso, a violência afeta o estado emocional e a capacidade de concentração das vítimas, prejudicando a tomada de decisões, segundo os pesquisadores.

Designer gráfico e ilustrador Alexandre Magalhães, responsável pelos desenhos

A Filha da Mãe, uma obra pioneira  – A Filha da Mãe foi idealizada e escrita, originalmente, como uma série para a televisão. O projeto inicial sugeria a produção de 12 episódios de sessenta minutos de duração. Foi bem avaliado nos dois editais a que concorreu e despertou o interesse de uma rede de TV paga, mas o orçamento alto, em tempos de crise, inviabilizou sua produção. 

A Filha da Mãe é um suspense dramático, com uma pitada de investigação policial. Conta a história de Cleonice, uma jovem vítima de violência física e psicológica de seu marido, que resolve, junto com a mãe, ajudar outras mulheres a lutarem contra os abusos e agressões de seus parceiros.

O livro, editado pela Itmix, tem 110 paginas e vai custar 38 reais

O livro aborda temas universais e atuais, como relacionamentos familiares e amorosos abusivos, conflito de gênero, dominação masculina, crimes impunes, homofobia, machismo, influência da religião na formação cultural. Por isso, a saga dessa heroína feminista da periferia deve inspirar outras mulheres vivendo a mesma situação que ela e a mãe padeceram. E mostra que a emancipação da mulher moderna está sendo construída a duras penas.

A autora fala um pouco mais do livro:

https://www.facebook.com/trilhadeletras/videos/2170099329879137/UzpfSTEwMDAwMDg0Mjk3MTE1MjoyNjQyNTYxOTY1NzgxODc3/

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca faremos spam! Dê uma olhada em nossa Política de Privacidade para mais informações.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo