fbpx

Três tons de Cinzas

Por Ingo Ostrovsky

Da E para a D, Martha Batalha, Lygia da Veiga Pereira e Marylin Monroe

Ingo Ostrovsky, 50emais

Se não houve fogo, não pode haver cinzas, como bem lembrou o antropólogo Roberto da Matta. Mesmo assim, a Quarta-feira de Cinzas veio e nos lembrou que o luto religioso tem o nome de Quaresma. Quem sabe ao final de 40 dias os 240 mil mortos (até agora!) ressucitem numa Páscoa às avessas da pandemia que nos assola.

E mais. Como poderia uma quarta-feira de Cinzas ter cara de efusiva depois de um carnaval cheio de barbaridades e aglomerações irresponsáveis? Pois, sob os auspícios de 3 representantes do sexo feminino, minhas Cinzas foram quase alegres.

Nada mau para um homem “que ama as mulheres”, como o cineasta francês François Truffaut.

Primeiro, Lygia da Veiga Pereira, uma geneticista por quem nutro uma paixão platônica e secreta que já tive que controlar quando a encontrei – duas vezes – para entrevistas de televisão. Lygia fala fácil sobre assuntos difíceis, mas para mim a grande atração é o charme sereno de uma carioca apaulistada criada numa família de intelectuais. Todos foram para a literatura; ela preferiu a ciência. É muito bem casada com um médico especializado em cirurgia plástica, mais um motivo para conter meus ímpetos românticos. Tenho pouco ou nada a oferecer à “mãe” dos avanços na pesquisa de células-tronco no Brasil. Adorei vê-la na primeira página de O Globo.

Depois, Martha Batalha, a cronista quinzenal que me faz perder uma quarta-feira por semana na ânsia de encontrá-la de novo quando abro meu jornal. Como escreve bem essa moça. Nunca a vi pessoalmente, apenas li livros que ela publicou. Me convenci de que Martha também é bem casada quando, lá pelo quinto ou sexto mês da pandemia, ela lembrou que nos votos do matrimônio não havia qualquer menção a ter que ficar semanas a fio isolada com o marido (e os filhos) em casa. Só uma mulher que vive bem com seu companheiro pode declarar uma coisa dessas! Martha mora nos EUA e escreve sobre a rotina dela com a universalidade de alguém que mora aqui na esquina e tem que suportar os feirantes mal educados de todas as quartas-feiras.

Me chocam as notícias de feminicídio e as cenas de homens agredindo mulheres. Não consigo entender o estupro, a relação sexual não consensual. Quando menino ouvia na casa de meus pais que todos são iguais perante todos e que numa mulher não se bate “nem com uma flor”. Acreditei nessas duas mentiras. Hoje, mais velhinho, descobri a verdade: tem gente que é mais igual do que os outros e há muito marmanjo batendo feio nas garotas.

A terceira mulher desta inesquecível quarta é Marilyn Monroe, com quem praticamente me casei dias depois de completar 15 anos. Marilyn é extremamente fiel, nunca me traiu. Resisti a todas as tentativas da imprensa mundana de me intrigar com ela. Somos felizes. Recentemente li que quando o presidente Kennedy lhe deu um passa-fora ela foi se aninhar junto ao irmão dele, Robert, o Bobby. Os dois políticos foram assassinados e eu estou aqui, resistindo ao vírus, com medo do verme, sem vacina, mas podendo me deleitar com as fotos de uma dona que nunca envelhece, uma mulher para quem o tempo não passa há quase 60 anos. Viva em paz, Marilyn!

PS: Tem um cãozinho que late na minha rua quase todas as madrugadas, das 4:30 às 6:30. Não é fofo?

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

quatro × um =

1 Comentários

Avatar
Maria Elisa Santana 21 de fevereiro de 2021 - 13:31

O riso me desintoxica. Torço pra que ele me ajude a manter em alta minha energia vital.😁🎊

Responder