fbpx

Vazante, um filme que todo brasileiro deveria assistir

Por Maya Santana

Em preto e branco, o filme é uma co-produção luso-brasileira, dirigida por Daniela Thomas

Maya Santana, 50emais

Parte do movimento negro pode discordar de mim. Mas como mineira, brasileira e afro-descendente quero saudar o filme Vazante, de Daniela Thomas. É imperdível. Não só porque trata de um tema nada explorado pelo nosso cinema, a escravidão no Brasil, como pelo fato de a diretora ter conseguido fazer um filme – passado numa fazenda, em área de diamantes, nas profundezas de Minas Gerais, em 1821 – que nos ajuda a entender melhor o país em que vivemos.

Daniela, que é filha de Ziraldo, foi muito criticada por integrantes do movimento negro, acusada de retratar de maneira superficial a escravidão e os personagens negros. Eu não concordo. Toda brutalidade da escravidão está neste filme, de atmosfera triste, marcado do início ao fim por um imenso silêncio. Os diálogos são curtíssimos e raros. Falam mais os semblantes e olhares.

Com direção de arte primorosa, bela fotografia, Vazante é uma co-produção luso-brasileira. As locações foram feitas na região do Serro, perto de Diamantina, em Minas Gerais. Todo mundo deveria ver esse filme para ter sua própria opinião e, assim, participar da discussão. Eu parabenizo Daniela Thomas.

Veja o trailer:

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

10 + quatro =

2 Comentários

Avatar
Edna Crepaldi 22 de novembro de 2017 - 08:53

Adoraria ver. Além de imagens belíssimas, me parece de extrema sensibilidade. E triste, como a escravidão era?

Responder
Avatar
Beth Cataldo 21 de novembro de 2017 - 21:11

Maya, parabéns pelo artigo! Concordo com tudo o que você disse.

Responder