fbpx

Assédio sexual derruba governador de NY. Pela 1ª vez uma mulher governará o estado

Por Maya Santana

Kathy Hochul´será, aos 62 anos, a primeira mulher a governar o estado de Nova York

Mais um poderoso é obrigado a renunciar ao cargo, depois de acusado de assediar sexualmente 11 mulheres, que prestaram queixa contra ele. Após sofrer muita pressão, o governador de Nova York, Andrew Cuomo (em seu terceiro mandato) que vinha insistindo na sua inocência, acabou renunciando nesta terça-feira(10), abrindo caminho para que, pela primeira vez na história, uma mulher, a democrata Kathy Hochul, de 62 anos, se torne governadora desse que é um dos estados mais importantes dos Estados Unidos. A ironia é que, como vice-governadora, um dos projetos de Kathy foi justamente combater violência sexual nas universidades novaiorquinas.

Leia mais sobre ela neste artigo da revista Veja:

Kathy Hochul, de 62 anos, se tornará a primeira governadora do estado de Nova York,em duas semanas substituindo o governador Andrew Cuomo, após sua renúncia ao cargo nesta terça-feira, 10. Ele está sendo investigado pela Secretaria de Justiça do estado por cometer assédio sexual contra ao menos 11 mulheres.

Nascida em Buffalo, ela foi eleita vice-governadora de Nova York em 2014 como companheira de chapa de Cuomo e foi reeleita  ao lado dele em 2018. Agora, em duas semanas, ela assumirá o comando do estado.

Em um comunicado, a política apoiou a renúncia do governador, dizendo ser “a coisa certa a fazer e no melhor interesse dos nova-iorquinos”.

“Como alguém que serviu em todos os níveis de governo e é o próximo na linha de sucessão, estou preparado para liderar como o 57º governador do estado de Nova York”, disse. 

Em muitos aspectos, o estilo de Hochul é o oposto do de Cuomo. O governador que está deixando o cargo tem a reputação de governar pela força bruta e pelo medo.

Hochul, por sua vez, gastou grande parte de seu mandato na estrada, destacando a agenda do governo e participando de uma ampla politicagem local.

Em seu antigo site de campanha, ela defende o aumento do salário mínimo em Nova York para 15 dólares por hora, pressiona pela lei estadual de licença familiar paga e defende os direitos femininos.

Ela também liderou a iniciativa do governador “Enough is Enough” para combater a agressão sexual nos campi universitários e co-preside a força-tarefa de abuso de heroína e opiáceos do estado.

Foto de arquivo mostra o governador Andrew Cuomo durante evento em março de 2021; governador de Nova York renunciou ao cargo nesta terça-feira, 10. Foto: CARLO ALLEGRI / POOL / AFP

Atenção nacional
Hochul chamou a atenção nacional pela primeira vez depois de vencer  uma eleição especial na Câmara dos EUA em 2011  para o 26º distrito congressional de Nova York. A cadeira era considerada segura pelos republicanos, que ocuparam o distrito por quatro décadas até a vitória dela. 

A eleição foi vista como uma batalha por procuração sobre uma proposta republicana da Câmara para reformar o Medicare,  seguro médico financiado pelo governo dos EUA para pessoas com 65 anos ou mais que atendem a outros critérios especiais.

Leia também: Kamala Harris torna-se a 1ª mulher vice-presidente da história dos EUA

Enquanto estava no Congresso, ela apresentou o “Clothe a Homeless Hero Act”, que orientava os aeroportos a entregar roupas em postos de controle de aeroportos para organizações de veteranos de guerra. Seu projeto se tornou lei em 2013. 

Antes de sua breve passagem pelo Congresso, Hochul passou cerca de 18 anos na política estadual local, incluindo 14 anos como vereadora de Hamburgo, seguidos por quase quatro anos como secretária do condado de Eric.

Ao longo dos anos, ela deixou de ser uma democrata de tendência mais conservadora — antes se  opunha à concessão de carteiras de motorista  a imigrantes indocumentados, por exemplo — para apoiar posições mais progressistas sobre as questões.

Seus outros empregos anteriores incluem trabalhar no M&T Bank, como advogada para um escritório de advocacia em Washington,  e como assessora jurídica e assessora de dois ex-políticos democratas de Nova York — o senador americano  Daniel Patrick Moynihan  e o deputado federal John Joseph LaFalce.

Hochul, junto com sua mãe e tia, fundou em 2006 uma casa provisória em Buffalo para vítimas de violência doméstica chamada Kathleen Mary House.

Leia também: As mais poderosas da França se unem para denunciar o machismo

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais