fbpx

Veja por que Jill Biden faz história como primeira dama americana

Por Maya Santana

Jill Biden fará 70 anos em junho e é a mais preparada de todas as primeiras-damas dos Estados Unidos

Conheça um pouco mais da vida de Jill Biden, casada com Joe Biden, o novo presidente dos Estados Unidos, lendo esse artigo da escritora e produtora Carla Lemos para o Uol. Aos 69 anos, Jill entrará para a história como a primeira-dama mais preparada de todas que já passaram pela Casa Branca, a sede do governo americano que ela conhece muito bem, pois o marido foi vice de Barak Obama durante oito anos. Jill se destaca também por ser a primeira mulher de um presidente a trabalhar fora. Ela é professora universitária e continuará dando suas aulas. “Ensinar não é o que eu faço. É o que eu sou,” diz ela, que tem dois mestrados e um doutorado.

Leia o artigo:

Você sabia que Jill Biden é a primeira-dama mais graduada da história dos Estados Unidos? Sim, a companheira de Joe Biden tem dois mestrados e um doutorado. E ela já mandou avisar que não vai parar de dar aulas. “Eu quero que o povo valorize os professores” disse ela, em entrevista à TV americana.

Antes de Jill, outra primeira-dama dos Estados Unidos também foi professora. Mas quando o marido de Eleanor Roosevelt foi eleito para assumir o cargo há quase 90 anos, ela não teve escolha. Ao se mudar para a Casa Branca, teve que abrir mão do que mais amava fazer na vida: dar aulas.

A doutora Jill quer abrir novos precedentes para mulheres de todo o país dizendo a elas que não precisam abrir mão da sua carreira em prol da carreira do marido como tantas outras primeiras-damas antes dela. Esta decisão deveria ser uma escolha, não uma imposição.

Ele fez cinco pedidos de casamento, antes que ela aceitasse. Os dois se casaram em 1977

Uma escolha como a feita por Douglas Emhoff, o primeiro “segundo cavalheiro” da primeira vice-presidenta da história americana. Assim como Jill, Douglas também é professor universitário, mas tão logo a imprensa declarava a vitória da chapa Biden-Harris, o marido de Kamala Harris anunciou que iria largar seu emprego para dar total suporte a carreira de sua esposa.

Veja também: Kamala Harris torna-se a 1ª mulher vice-presidente da história dos EUA

Não é sobre certo e errado. É sobre o que funciona para cada pessoa. Jill já tem experiência na Casa Branca. Durante 8 anos em que o marido foi vice de Barack Obama, ela conciliou seus compromissos como esposa de um vice de chefe de Estado com seu trabalho como professora universitária.

Sua amiga da primeira temporada dos Biden na Casa Branca, Michelle Obama, testemunhou em seu Instagram: “Por oito anos, eu vi a dra. Jill Biden fazer o que muitas mulheres profissionais fazem com sucesso: administrar mais de uma responsabilidade ao mesmo tempo, dos seus deveres como professora, às suas obrigações oficiais na Casa Branca, ao seu papel como mãe, esposa e amiga.”

Joe Biden, que perdeu a mulher e uma filha em um acidente de carro, criou os dois filhos do primeiro casamento e tem uma filha com Jill

Mas, é aquilo né? Mulheres, quando reivindicam o direito de fazerem as próprias escolhas sobre a sua vida, o patriarcado fica em polvorosa. Afinal, para eles é um absurdo uma mulher não se limitar a caber na caixinha que determinaram pra ela.

Veja também:Médica fala do guia exclusivo do 50emais de prevenção ao câncer

Um artigo publicado no Wall Street Journal representa muito bem esse pensamento medíocre que ainda vigora em parte da sociedade. Nele, o colunista Joseph Epstein deu sua opinião dizendo que Jill deveria abrir mão de usar seu título de doutora porque ele acha que “Drª Jill Biden soa e parece fraudulento, para não dizer um pouco cômico”.

Por que para este senhor uma mulher que se orgulha dos seus títulos é algo cômico? Por que para este senhor uma mulher tem que abrir mão da sua história para se encaixar nas expectativas dele de qual é o papel de uma primeira-dama? Por que homens se sentem tão ameaçados por mulheres letradas?

Imediatamente depois da publicação desse artigo descabido, a comunidade acadêmica se manifestou em defesa de Jill. “Se você tem um doutorado seja em farmácia, educação ou biologia, não importa: Se intitule uma doutora. Você trabalhou anos para merecer o título. Grite para todos se você quiser. É seu direito” disse a arqueóloga Sara Helen Parcak, ela mesma uma doutora da Universidade de Yale,

Com Kamala Harris, primeira mulher a chegar ao cargo de vice-presidente

E como Michelle Obama declarou em apoio a sua amiga: ‘todos estamos vendo o que acontece com muitas mulheres profissionais, quer o título seja, Dra. Srta., Sra. ou até primeira-dama. Vezes demais, nossas conquistas são vistas com ceticismo, até escárnio.

Podem até tentar, mas não vamos mais aceitar essas ideias. Como respondeu a própria @drbiden em seu twitter: “Juntos, vamos construir um mundo onde as conquistas das nossas filhas serão celebradas, e não diminuídas”.

É essa a mudança que a gente quer ver e ter de exemplo para gente e para gerações que estão por vir.

Veja no vídeo da BBC Brasil, mais informações sobre quem é a nova primeira-dama do país:

Veja também: Ser feminista é defender direitos iguais para homens e mulheres

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

três + 7 =