fbpx

Envelhecer é…conviver com os ruídos, cheiros e temperos da vida

Por Maya Santana

Luzia Werneck, 61, professora universitáriia e terapeuta junguiana

“Poeta de amanheceres e entardeceres. Apaixonada pelo céu e pela terra.” É assim que Luzia Werneck, 61, professora universitária, terapeuta junguiana e fotógrafa nas horas improváveis, se define, ao dar esse seu depoimento sobre como vê o próprio envelhecimento.

“A partir do momento em que pousamos na terra, começamos o nosso processo de envelhecimento,” então, “envelhecer é deixar o curso da vida fluir, já que não temos como controlar isso,” diz essa “jovem senhora” que gosta de “cantar, dançar e de caminhar entre as árvores,” como ela mesma escreveu.

Veja o depoimento de Luzia Werneck:

Se você quiser participar do Envelhecer é… envie um video de cerca de dois minutos e meio para nós, através do e-mail contato@50emais.com.br.

Veja também:

Envelhecer é… viver em movimento, para exercitar o corpo e a mente

Irene Ziviani: Envelhecer é…lembrar sempre que cada idade tem a sua juventude

Patrícia Resende: Envelhecer é… chegar ao cume da vida, de onde se vê tudo de cima

Cida Falabella: Envelhecer é… cebelos brancos, rugas, sobrepeso e muita liberdade

Nenez Santana Rick: O meu dia deveria ter 36 horas para fazer tudo que gostaria

Sandra Ribeiro e Silva Câmara: Envelhecer não significa perder a cor. Envelhecer pode ser colorido

Ana Helena Gomes: Viver é perder. Viver é ganhar. Viver é equilibrar os dois

Pedro Bial: Hoje, tenho uma visão mais clara do que a vida tem de valor

Mirian Chystus: Chegando aos 70, estou mais tranquila. E todo dia eu agradeço a Deus por mais um dia

Maya Santana – Envelhecer é caminhar para dentro, num processo contínuo de autoconhecimento

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

quinze + 14 =